quinta-feira, 28 de abril de 2016

É preciso dosar a crítica

O cidadão tem razão em reclamar. Afinal, paga-se imposto para tudo. A situação, contudo, já esteve pior e é preciso reconhecer algum avanço. Nem só de crítica se vive e é preciso ficar atento para não pecar ou exagerar na dose.

É certo que existem problemas na área da saúde. É correta a teoria de que o cidadão precisa, cada vez mais, ser tratado com atenção redobrada. Mas não se pode partir dessa premissa para atirar pedras sistemática e continuamente sem olhar as nuances econômicas. A crise é generalizada. E atinge, por gravidade, quem precisa de atendimento na origem de tudo: os municípios.

O blog conversou com a Secretaria Municipal de Comunicação da Prefeitura de Mossoró para questionar a área. E obteve a informação de que a PMM estaria investindo 33% do orçamento na área da saúde.

E a Comunicação listou alguns avanços, como reabertura do CEO, ampliação do CAPS e outras medidas direcionadas para a saúde. 

O certo é que, diante de tantos problemas que afetam diretamente o cidadão, e em meio ao turbilhão por qual passa o Brasil na atualidade - com o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, e se completa com a vacância do Ministério da Saúde, fica a incerteza sobre o futuro que vem.

Sem o olhar balanceado sobre tudo, pode-se incorrer em críticas que podem, necessariamente, descambar para o lado político. E misturar política pública com política partidária não é bom. Para ninguém. Muito menos para o cidadão.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Tomaz Neto quer afastamento de Silveira da PMM

O vereador Tomaz Neto (PDT) afirmou que possui elementos que podem levar à cassação do prefeito Silveira Júnior (PSD). Para tanto, ele precisará pedir que a Câmara Municipal aprove o afastamento de Silveira do cargo. È preciso que um número específico de vereadores votem favorável ao pleito do pedetista.

Caso Tomaz Neto consiga reunir votos necessários, a Câmara Municipal afasta o prefeito das suas funções por tempo determinado para poder investigar as denúncias.

Segundo Tomaz Neto, existem indícios de que estaria existindo corrupção na Prefeitura de Mossoró e que o colapso no serviço público precisa, necessariamente, ser investigado pela Câmara Municipal.

O blog crê que dificilmente Tomaz Neto atingirá o objetivo. Pelo simples fato de que o prefeito Silveira Júnior tem maioria quase absoluta na Câmara Municipal. Sem votos, sem investigação. Simples.

OAB recebe manifesto de peritos do Itep

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Subseção de Mossoró, recebeu este mês um manifesto dos peritos do Instituto Técnico-Científico da Polícia no Rio Grande do Norte (ITEP/RN). No documento, eles reclamam da quantidade insuficiente de profissionais no órgão, que leva à precariedade no serviço, e cobram a realização de um concurso público para suprir essa demanda.

De acordo com o presidente da Associação dos Peritos Criminais do Estado do RN (APCERN), Otávio Domingos Moreira Santos, a situação é grave. Há apenas 28 peritos para atender a todo o território potiguar – a título de comparação, são mais de 200 na vizinha Paraíba. Em razão da sobrecarga e deficiência do efetivo profissional, o risco de “interrupção integral das atividades periciais” é iminente.

Para piorar, o último concurso realizado para o ITEP ocorreu há 16 anos, em detrimento de certames realizados para outras categorias, como Defensores Públicas, Delegados, Oficiais da Polícia Militar, profissionais que requisitam solicitações do instituto. Tal situação gerou um “verdadeiro descompasso” na capacidade do órgão de atendimento das demandas. O resultado são inquéritos inacabados, processos morosos e outros prejuízos para a prestação dos serviços jurisdicionais.

Por isso, a APCERN fez um apelo ao Governo do Estado para encaminhamento do marco normativo responsável pela criação de novos cargos e vagas para o ITEP, estruturados em carreia. Inclusive, vários inquéritos civis abertos pelo Ministério Público estadual já cobrava tal regulamentação.

Em reunião, o vice-presidente da OAB, Subeção de Mossoró, Kallio Camaleira, e o presidente da Comissão de Segurança Pública, Victor César Lobato de Medeiros, receberam o documento, que, por se tratar de assunto de abrangência estadual, foi encaminhado para a Seccional Potiguar da OAB em Natal para as providências devidas.


Lançamento da Expofruit 2016 acontece nesta quarta-feira

A Feira Internacional da Fruticultura Tropical Irrigada – Expofruit será lançada amanhã, às 15h, no Sebrae Mossoró . O evento, que completa vinte anos de realização em 2016, acontece de 21 a 23 de setembro, na Ufersa, em Mossoró, e prevê a circulação de aproximadamente 15 mil pessoas e uma média de R$ 40 milhões em negócios.

Durante o lançamento serão apresentados o histórico desses vinte anos e todos os benefícios que a feira trouxe para a produção local e para a região. Na oportunidade será também apresentada a campanha publicitária da feira este ano que terá como tema “Mais Longevidade para você e seus Negócios”.

Para esta edição os organizadores da Expofruit estão procurando mais uma vez inovar e buscar novas tecnologias, produtos e serviços para a fruticultura e acreditam no sucesso na realização do evento. “Temos uma expectativa muito grande em relação a feira e já temos bastante procura com relação aos estandes. O setor, no ano passado, aumentou as exportações, o que significa que a cadeia produtiva está bastante satisfeita e positiva. Todo o elo de produção conseguiu aumentar as vendas do nosso setor. Prevemos que a feira consiga atingir seus objetivos e integre os membros da cadeia produtiva, amplie os negócios e mostre a importância do setor para a região de Mossoró e para o Rio Grande do Norte”, afirma Luiz Roberto Barcelos, presidente do Comitê Executivo de Fruticultura do Rio Grande do Norte (Coex).

O SETOR
Atualmente, o setor emprega diretamente 10 mil pessoas na região de forma direta e mais 50 mil postos de trabalho são beneficiados de forma indireta, o melão continua sendo o carro-chefe da produção frutícola da região seguido por melancia, mamão e banana. Os frutos são destinados ao consumo interno e a exportação principalmente para países da Comunidade Europeia como: Inglaterra, Holanda, Espanha, entre outros. Somente em 2015 a produção e exportação de frutas geraram um volume de negócios de mais de US$ 98 milhões para o Rio Grande do Norte. Além de que também beneficiaram a população por meio da contribuição em impostos aos governos municipal, estadual e federal.

Um importante fator que contribui para a boa aceitação do melão mossoroense no mercado externo é o reconhecimento da qualidade da fruta produzida na região, que desde 2013 conta com selo de Indicação Geográfica de Origem, reconhecido mundialmente como indicativo de qualidade. A certificação foi concedida após cinco anos de aprimoramento da fruta produzida na região.

ESTANDES
Até o momento foram comercializados 50% dos estandes, dos 300 estandes distribuídos em um espaço de 15 mil m2, que compõe a estrutura da feira. Cada stand possui 12 m2 e está disponível por R$ 2.800. De acordo com o diretor comercial da Expofruit, João Manoel, “o momento tem sido de crescimento para o setor com um aumento no consumo de frutas por parte da população no mundo inteiro. Esse é um dos motivos que nos faz acreditar que vamos retomar a feira com muito sucesso e grande participação de várias empresas ligadas a nossa cadeia produtiva”, explica.

Os interessados devem entrar em contato com João Manoel Silveira pelos telefones (84) 3312.6939/99950-7931 e 98812-6445 e pelo e-mail: expofruit@gmail.com.


A Expofruit 2016 tem como objetivo o apoio ao setor frutícola potiguar, garantindo a participação de produtores de todo o estado em um evento que viabilize a comercialização da produção e promova novos negócios, inclusive exportações. A feira é realizada por meio de uma parceria entre o Comitê Executivo de Fruticultura do Rio Grande do Norte (COEX), o SEBRAE – Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Norte, a Universidade Federal Rural do Semiárido – Ufersa.

Rogério Marinho: "Administração Carlos Eduardo é medíocre"

Presidente de honra do PSDB no Rio Grande do Norte, o deputado federal Rogério Marinho criticou a administração do prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves (PDT). Para o tucano, a gestão municipal é "medíocre" e "deixa a desejar" em vários aspectos. O parlamentar voltou a confirmar que a legenda terá candidato próprio na disputa pelo Palácio Felipe Camarão.

"Nós do PSDB, e esse é um pensamento coletivo, achamos que essa é uma administração medíocre, o governo Carlos Eduardo tem deixado muito a desejar. Natal é uma cidade vibrante que não tem prefeito a sua altura neste momento de crise. Deve meses de pagamentos a terceirizados, tem dificuldade para investimento próprio, faz processo de maquiagem na cidade e esquece da infraestrutura, saúde, educação, geração de emprego e renda, falta criatividade, e o PSDB vai se colocar para fazer esse debate", disse o deputado nesta segunda-feira (25), em entrevista na TV Tropical.

Rogério destacou ainda que o partido registrou um grande crescimento nos últimos meses e conta atualmente com quase 60 pré-candidaturas a prefeito e outras 1,5 mil a vereador nos diversos municípios potiguares.

Sobre a proximidade do fim do governo Dilma Rousseff, Rogério disse não haver dúvidas de que a presidente cometeu crime de responsabilidade, quando descumpriu a LRF e não respeitou a divisão entre os poderes. E antecipou que, na provável gestão Michel Temer, o país precisará reduzir ministérios e cargos comissionados, cortar despesas e os recursos públicos destinados ao MST, CUT e UNE, organizações que são um braço paramilitar do governo do PT".


Claudionor destaca dificuldades no setor da saúde de Mossoró

Nesta terça-feira (26), durante sessão ordinária realizada na Câmara Municipal de Mossoró, o vereador Claudionor dos Santos demonstrou preocupação com as dificuldades enfrentadas no setor da saúde de Mossoró.

De acordo com Claudionor, apesar dos investimentos aplicados, a saúde do município vem agonizando. “Estamos vendo o esforço que vem sendo feito por parte do Governo do Estado que busca investir na saúde. Porém, esse esforço e investimento não tem atendido a demanda da nossa cidade”, disse.

Durante seu pronunciamento, o edil aproveitou para solicitar da Casa Legislativa mais frequência nas cobranças do governo do Estado para este setor, principalmente, quanto a inversão de prioridades.


“Quando falo em inverter prioridades, quero dizer que o governo investe R$ 100 mil em diárias operacionais, enquanto isso falta R$ 117 mil para dar continuidade as cirurgias de traumas, por exemplo. Está havendo aí uma inversão de valores. A prioridade neste caso, que é a saúde, tem sido deixada em segundo plano. E é obrigação desta Casa levar sugestões e cobrar do Governo”, concluiu Claudionor.

Fonte: Assessoria/CMM

Vingt-un destaca trabalho da Maçonaria

Em sessão ordinária realizada nesta terça-feira (26), na Câmara Municipal de Mossoró, o vereador Vingt-un Neto enalteceu o trabalho realizado pela Maçonaria. “Tive a oportunidade de participar de um momento histórico para os mossoroenses. Refiro-me a entrega dos 36 leitos de UTI em uma ação capitaneada pela maçonaria. Fiquei muito feliz porque Mossoró carece de investimentos importantes. E a força dessa instituição fez isso acontecer”, declarou.

De acordo com Vingt-un Neto, o investimento feito pela Maçonaria foi na ordem de R$ 220 mil. Na oportunidade o vereador divulgou dados de investimentos feitos pela Prefeitura de Mossoró equivalente ao triplo gasto pela instituição.

“Quero divulgar um dado importante. Esse investimento para que Mossoró recebesse esses leitos totalizou 220 mil reais. Enquanto no ano passado a Prefeitura Municipal de Mossoró gastou R$ 700 mil para inaugurar a praça do cemitério por 700 mil”, disse Vingt-un Neto.


Ainda durante seu pronunciamento Vingt-un Neto destacou que o valor gasto na construção da Praça do Cemitério “correspondeu a três vezes o valor dos 36 leitos. Mais uma prova de que a saúde não tem sido prioridade em nosso município”, concluiu.

Fonte: Assessoria/CMM

Genivan informa que dívida será quitada na sexta-feira

Utilizando a Tribuna, em sessão ordinária realizada nesta terça-feira (26) na Câmara Municipal de Mossoró, o vereador Genivan Vale informou que a dívida entre a Prefeitura de Mossoró com o Centro de Oncologia, que é na ordem de R$ 700 mil, será quitada na próxima sexta-feira, dia 29.

Segundo Genivan Vale, a informação foi repassada pelo secretário Municipal da Fazenda, Jerônimo Rosado. “Hoje cedo participamos do protesto dos pacientes e familiares que saíram da frente do Centro de Oncologia até esta Casa Legislativa. Na oportunidade nos reunimos com estes pacientes e entramos em contato com o secretário que garantiu que a dívida será paga na sexta-feira, dia 29”, repassou Genivan.

Durante seu pronunciamento, o edil informou também que nesta quarta-feira, 27, o Governo do Estado irá repassar R$ 1,3 milhão. “Fico extremamente feliz com mais esta notícia repassada pelo secretário. Amanhã o governo do estado irá depositar um montante de um milhão e trezentos mil na conta do Centro de Oncologia referente a dívida existente” disse.


Após as informações repassadas durante a sessão ordinária, Genivan Vale questionou os motivos e lamentou os atrasos que chegam a quatro meses. “Recebemos boas notícias hoje. Mas me pergunto como é possível atrasar um pagamento, tão importante, por quase 4 meses. Pedimos para que não haja mais esse atraso”, concluiu Genivan.

Fonte: Assessoria/CMM

Nacízio destaca necessidade da construção de cemitérios públicos

O vereador Nacízio Silva, durante sessão ordinária realizada na Câmara Municipal de Mossoró, nesta terça-feira (26), voltou a destacar a necessidade da construção de cemitérios públicos nas áreas do grande Alto de São Manoel e Abolições.

“Voltamos a falar neste assunto porque detectamos a grande necessidade da construção de cemitérios públicos na área do São Manoel e Abolições. Apresentamos emendas e destacamos não ser uma obra que requer altos investimentos”, destacou.

Na oportunidade, Nacízio Silva lamentou o descaso para o assunto dos gestores municipais. "Lamentamos por passar tantos anos e nenhum gestor perceber a grande necessidade que esta Casa apontou. Chegamos a um ponto em que o chamado Cemitério Novo, que não é mais novo, não tem mais espaço”, disse.

Fonte: Assessoria/CMM


quarta-feira, 20 de abril de 2016

Congresso nosso de cada dia

As pessoas, obviamente que simpatizam com o governo Dilma Rousseff (PT), criticam a suposta manobra que o presidente da Câmara Federal, deputado Eduardo Cunha (PMDB), teria executado em parceria com o vice-presidente Michel Temer (PMDB) para que a Casa admitisse o impedimento da presidente. E o apoio de deputados federais ao impeachment, de maneira geral, passou a ser visto como algo que daria mais substância ao "golpe".

O interessante nessa história toda é que o PT tem se recusado a propagar a teoria de que teria caído no "golpe" por mero capricho. Sim, pois em 2014 o Partido dos Trabalhadores se aliou ao PMDB para garantir a eleição de muitos. Inclusive de Dilma Rousseff, bem como a de Eduardo Cunha. Assim sendo, não se trata de nenhuma ação extraordinária. Ou será que o PT não sabia em qual ninho estava se metendo quando propôs aliança ao PMDB?

No mais, todos ainda reclamam da votação que houve, pelo impeachment da presidente, na Câmara Federal. Especificamente pelo voto. E isso é outra coisa que não se pode reclamar. Todos os que votaram,a favor ou contrários ao impedimento, foram eleitos pelo voto popular. Em outras palavras, representam a população brasileira de modo geral. Se estão ali, obviamente alguém votou neles. E agora reclamam? Algo que não se entende.

O Congresso Nacional reflete a imagem da população brasileira. Se os discursos dos deputados federais deixaram a desejar, isso mede justamente o grau de educação ou de conhecimento que os cidadãos possuem. Escolhem seus candidatos, elegem representantes e depois não reconhecem a legitimidade da votação? Como assim?

A votação em si, pelo impeachment, já era esperada. Até pelo PT.

Continuar com o discurso rancoroso de golpe, de rasteira ou de tapetão é apenas palavras de quem não tem mais o que dizer. O processo em si, crê o blog, é legítimo. Se existem dúvidas sobre a metodologia adotada pela presidente da República, ela tem mesmo que se explicar. Não é pelo fato de ser presidente que Dilma não tem que prestar contas de seus atos. Pelo contrário: ela deve ser o exemplo.

E alguém já disse que as chamadas "pedaladas fiscais" não incorreriam em crime pelo fato de governantes anteriores terem utilizado o mesmo artifício. Ora, isso é querer dizer que se todos erraram ela, Dilma, errando seria crime por quais motivos? E é aí que está a questão: um erro não justifica outro. Ou outros. O que teria faltado aí seria vontade para buscar explicações.

E a bem da verdade, esse impeachment da presidente Dilma Rousseff só saiu porque a economia está deixando a desejar. Se tudo acontecesse e não se mexesse no bolso de ninguém, tudo ficaria do mesmo jeito. Coisas piores aconteceram, certamente, no passado. E nada se fez porque a coisa não atacou o bolso da população.


Semob intensifica fiscalização aos veículos clandestinos

A Secretaria de Segurança Pública, Defesa Civil, Mobilidade Urbana e Trânsito intensificou a fiscalização aos taxistas clandestinos que atuam na cidade. Na manhã desta quarta-feira, 20, os agentes de trânsito atuaram em parceria com os policiais do 2° Departamento de Polícia Rodoviário Estadual (DPRE). O principal objetivo é retirar os veículos irregulares do transporte de passageiros e otimizar a atuação do transporte coletivo.

Durante a ação, a equipe de fiscalização visitou pontos de táxis, mototáxi e táxi de lotação. Além disso, a equipe atendeu denúncias de pontos em que estavam sendo feito o embarque de passageiros em transporte clandestino. Só nesta manhã, vários pontos do Centro, Aeroporto, Nova Betânia e Alto de São Manoel foram vistoriados pela equipe de fiscalização.

“A busca para combater o clandestino nunca foi interrompida, mas agora estamos intensificando essa atividade. Seja de Mossoró ou intermunicipal, vamos fiscalizar e notificar quem estiver fazendo o serviço de forma ilegal. Temos informação que o táxi de lotação está passando pelos corredores dos ônibus e isso não é permitido. O táxi de lotação é legal, mas o taxista não pode pegar os passageiros das linhas de ônibus. Vamos redobrar a atenção a essas situações”, destaca Júlio César Oliveira, gerente de trânsito da Secretaria Executiva de Mobilidade Urbana.

Embora o foco seja o transporte clandestino, a equipe de fiscalização também vai notificar motoristas que cometerem outras infrações de trânsito, tais como a falta do cinto de segurança, pilotar moto ou levar passageiro sem capacete, teclar ao dirigir, ultrapassar sinal fechado, ausência da cadeirinha para crianças, estacionamento irregular, formação de fila dupla, entre outras infrações.




segunda-feira, 18 de abril de 2016

Carros fumacê passarão em mais nove bairros

Após concluir as atividades nas cinco regiões com maiores Índices de Infestação Predial (IIP), os carros fumacê contemplarão mais nove bairros e uma comunidade rural. Os veículos iniciarão as ações na próxima quinta-feira, 21, e trabalharão durante 15 dias (incluindo feriados e finais de semana) em todas as ruas dos bairros de Abolições, Alto de São Manoel, Barrocas, Bom Jardim, Costa e Silva, Ilha de Santa Luzia, Paredões, Santo Antônio e Santa Delmira, além da comunidade rural da Barrinha.

A escolha desses locais se deve a elevada quantidade de notificações que foram enviadas à Vigilância à Saúde de pessoas que deram entrada nas unidades de saúde com suspeitas e/ou confirmações de alguma doença relacionada ao Aedes aegypti nas últimas semanas. Além disso, também foi levado em conta o IPP desses bairros que estão acima do aceitável pelo Ministério da Saúde, que é de até 1%. Esse índice mostra a quantidade de larvas do mosquito encontrada em determina região.

Durante os próximos 15 dias, os veículos percorrerão 1.322 quarteirões, podendo ter as atividades suspensas em dias de chuvas. Os carros iniciarão as atividades sempre das 4h às 7h e das 16h às 19h. A Secretaria de Saúde aconselha a população a abrir as portas e as janelas durante a passagem dos carros. Deve-se ter cuidado para o inseticida expelido não entrar em contato com alimentos e evitar que animais sejam expostos excessivamente ao veneno.

A secretária municipal de Saúde, Leodise Cruz, afirma que as atividades dos carros fumacê integram o Plano Municipal de Combate ao Aedes, que prevê uma série de ações contra o mosquito. “É importante destacarmos que essa é uma ação emergencial e provisória. A forma mais eficaz de combater o vetor é não permitir que nasçam as larvas. Por isso, a Secretaria insiste em pedir a população que mantenha o combate ao mosquito dá melhor forma, não deixando água parada”, acrescenta.

De acordo com a coordenadora da Unidade de Endemias, Karla Cartaxo, o carro fumacê é uma parceria do Governo do Estado com a Prefeitura de Mossoró. Ela acrescenta que o veículo só pode ser utilizado quando o Município já apresenta surtos ou epidemias de doenças relacionadas ao Aedes. “O Ministério da Saúde preconiza que o inseticida seja utilizado como um dos últimos recursos no combate ao mosquito. O ideal é intensificarmos as medidas e não deixarmos que as larvas nasçam, eliminando todos os recipientes que acumulem água. Por isso, estamos pedindo a colaboração de todos para que, juntos, possamos vencer esta guerra contra o vetor”, afirma.

Entenda a seleção dos oito bairros:
A seleção dos bairros se dá através de monitoramento constante da Secretaria Municipal de Saúde de Mossoró e da Secretaria Estadual de Saúde Pública- SESAP. Os dois órgãos, que se reúnem constantemente, levam em consideração as seguintes estatísticas: a quantidade de notificações de casos suspeitos de alguma doença relacionada ao Aedes (dengue, febre Chikungunya ou Zika vírus) e o Índice de Infestação Predial.

No primeiro ciclo, os carros fumacê percorreram, num período de 20 dias ininterruptos, os bairros de Planalto 13 de Maio, Dom Jaime Câmara, Aeroporto, Sumaré e Belo Horizonte, locais que apresentam IPP acima de 10%. Nessa segunda etapa, serão percorridos bairros com IPP acima de 1% e elevado número de notificações.

A secretaria ainda lembra que outros bairros poderão ser acrescentados posteriormente, a depender do crescimento das notificações nas últimas semanas, de acordo com o monitoramento feito pelas secretarias. O Município apresenta um IPP de 5.7%, considerado elevado. O bairro que lidera o IPP, neste segundo ciclo, é a Ilha de Santa Luzia, com 14,2%; logo após vem os Paredões, com 13%, Alto de São Manoel, 7,9%; Barrocas, 5.4%, Santa Delmira, 3.8%, Santo Antônio, 3.4%; Costa e Silva, 1.8%; Abolições, 1.6%.

Todo o Município possui um IPP de 5.7%. Nos próximos dias, as equipes intensificarão a vigilância às notificações das doenças relacionadas ao Aedes aegypti, com objetivo de acompanhar os números e ampliar as ações. “Para isso, enviamos um ofício às unidades de saúde, públicas e privadas, solicitando que os profissionais não esqueçam de notificar casos suspeitos ou confirmados e enviá-los à Vigilância, setor responsável pela implantação das políticas de combate ao mosquito e pelo monitoramento das doenças”, conclui Geizarelle Soares.

O que será do Brasil?

Muito se disse sobre a admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), aprovada no domingo pela Câmara Federal. Disse-se que os que votaram pelo impedimento não representariam a massa popular... E o titular deste espaço se pergunta? Como não? Não foram estes políticos que os eleitores elegeram? Se estão lá é porque alguém quis e alguém votou. Se houve excesso ou coisa parecida, caberá ao Senado corrigir alguma falha.

O certo é que a presidente Dilma pecou pela arrogância. Sim, porque foi reeleita e, de certo modo, achou que não teria mais que apresentar aos brasileiros alguma explicação sobre o que ainda está acontecendo. A desgraça de Dilma começou não apenas com as chamadas "pedaladas fiscais". Sua queda começou ainda na campanha eleitoral, quando teria faltado com a verdade ao dizer que a economia brasileira estava bem e que não haveria reajuste tarifário nas contas de luz nem nos combustíveis. E ocorreu justamente o contrário: tudo aumentou.

Se a economia estava bem, não se justifica reajustar algum produto. E se a economia estava bem, seria digno o reajuste salarial seguir o aumento constatado no consumo de energia e na compra de combustível. Ocorreu isso? Obviamente que não.

Daí, com a economia em frangalhos e tendo que arrecadar mais para manter algumas ações governamentais, Dilma não teve outra escolha: quebrar a palavra empenhada durante a campanha. De lá para cá o festival de dissabores políticos está para quem quiser pesquisar na net.

A presidente sabia que não ganharia na Câmara Federal. Talvez seja derrotada no Senado. E qual a lição que fica? Essa é a pergunta que não quer calar.

Ninguém sabe o que será do Brasil em caso de afastamento definitivo da presidente Dilma Rousseff. Uns dizem que ficará pior com o vice-presidente Michel Temer no comando da República. O futuro está sendo delineado. Só não se sabe se ele será digno e benevolente com quem sofre as consequências da falta de ética, principalmente, na política.


quinta-feira, 14 de abril de 2016

PSD e PT não falam a mesma língua no RN

Interessante como a política é dinâmica. Bastou o PSD nacional decidir que o partido iria votar pelo impedimento da presidente Dilma Rousseff (PT) para o mundo potiguar vir abaixo: o PT estadual decidiu pelo rompimento com o governador Robinson Faria (PSD). E o que isso implica? Em várias coisas. A começar pela liberdade que Robinson terá em Natal, por exemplo, para decidir sobre quem deve apoiar à Prefeitura. Do mesmo modo em Mossoró, onde o vice-prefeito Luiz Carlos (PT) já havia rompido com o prefeito Silveira Júnior (PSD), mas o partido ainda está (ou estaria) aliado.

Todo mundo sabe que todo mundo sabia que a aliança PT/PSD no Rio Grande do Norte não iria vingar. Se não fosse agora, o rompimento seria mais na frente. É sabido que a senadora petista Fátima Bezerra estaria na bola da vez à disputa pelo governo do Estado em 2018. Daí não ter sentido algum ficar em uma aliança de araque. Ou é aliado ou não é.

O PSD nacional decidiu que não seria mais aliado do PT nacional. Mas isso não quer dizer que ocorra um efeito cascata. Até porque a situação nacional difere do plano estadual e do municipal. Mas a teoria petista não funciona bem assim, Parece existir uma espécie de ditadura que faz com que o cenário nacional tenha que ser, por consequência, espelho do quadro regional.

E ai daquele que ousar pensar diferente. A ditadura petista é tão forte que quem pensa contrário acaba sendo, de certo modo, desconsiderado e achincalhado. Não se pode, na ótica deles, pensar diferente. Como se existisse apenas uma vertente ideológica e que, por isso, existiria apenas uma verdade.


Somente agora?

Os vereadores têm todo o direito de investigar alguma coisa no serviço público. E devem mesmo. É obrigação deles. Mas tem algo que não cai bem: por quais motivos se direciona atenção para abertura de duas Comissões Especiais de Inquérito (CEI's) em ano eleitoral? Será que os vereadores não perceberam algo de errado no Mossoró Cidade Junina no ano passado? Por quais motivos querem, agora, investigar a coleta de lixo? Justamente em ano eleitoral...

O blog não está, com isso, desmerecendo o trabalho de um vereador. Podem, e devem investigar. A ressalva que se faz é que anunciar duas CEI's justamente agora o que se conota é que estaria havendo interesse político e,partidário. Algo que não se concebe em se tratando do patrimônio público. Da verba pública, melhor dizendo.

Pois se os vereadores querem investigar a aplicação da verba pública, deveriam ter feito há algum tempo. Deixar para agora é querer chamar todos de analfabetos. Evidentemente que existiria algum interesse partidário nesse negócio. Ninguém pensa em uma CEI assim, do nada.

No que diz respeito ao Mossoró Cidade Junina, uma investigação pela Câmara Municipal só iria reafirmar o que o Ministério Público está fazendo. Assim sendo, não faz sentido algum investigar algo que está em análise. Com relação ao contrato de coleta de lixo, seria bem mais fácil os vereadores pegarem a cópia dos contratos e, somente depois, analisarem se existiria a possibilidade de alguma investigação.

Dizer por dizer, propagar por propagar e caluniar por caluniar, isso não é cabível em uma relação entre os poderes. Entre oposição e governistas. Assim acontecendo, fica parecendo mais uma eterna briguinha baseada em picuinha política. 

Os vereadores devem atentar ao fato de que é ano eleitoral. Qualquer atitude que possa externar algum indício de ação politiqueira e partidária poderá, simplesmente, resultar em tiro no pé.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Só resta esperar pelo calendário eleitoral

A movimentação política de Mossoró deu uma parada. E os motivos são óbvios. Mas isso não quer dizer que todos estão quietos, esperando o momento certo para aparecer. Engana-se quem pensa assim. E todos sabem também que existe diferença entre não aparecer e ficar quieto. São coisas distintas. E é aí que está a questão. Aparentemente houve retração relacionada ás especulações, mas isso não implica em suspensão de conversas. Pelo contrário: está existindo, e muito, diálogo de todos com todo mundo.

Em busca de garantir a reeleição, por exemplo, o prefeito Silveira Júnior (PSD) tem corrido contra o tempo par reverter quadro de negatividade. Se vai conseguir, isso é incerto. O certo é que, pegando o gancho da divulgação da maquete do Santuário de Santa Luzia, Silveira estaria no caminho de incentivar a famosa agenda positiva. E ele tem, realmente, que buscar isso. Tem que ir às ruas e ouvir o que o povo tem a dizer. No popular, deve colocar a "cara a tapa". Assim ocorrendo, o cidadão poderia vislumbrar que existiria a mudança apregoada recentemente.

A questão de Silveira é que ele passou algum tempo recluso. Talvez por orientação de sua comunicação. E essa estratégia foi danosa. Tanto que houve mudanças na equipe. O papel da jornalista Luziária Machado, que assumiu recentemente a função, é imprescindível para que Silveira recupere a imagem. Dará tempo? O próprio tempo responderá. Mas o blog entende que a mudança maior deve partir do próprio prefeito. E isso ele já deixou claro que está disposto a fazer.

O resto é esperar para ver se dará certo ou não.

E nesse caminho de mudança, os pré-candidatos, todos eles, buscam a mesma estratégia: estar mais junto do eleitorado. Captar o que a voz da rua diz para, posteriormente, projetar algo mair durante o período da campanha.

A calmaria que reina atualmente seria até proposital. Ou não, pois existe um calendário eleitoral a ser cumprido e este, o calendário, não prevê movimentações neste período.

Assim sendo, o que resta é esperar para saber o que todos estão fazendo.

terça-feira, 12 de abril de 2016

Jório continua presidente

A assessoria de imprensa de Jório Nogueira (PSD) afirma que o vereador continua na presidência da Câmara Municipal de Mossoró. Ele somente será afastado depois que uma comissão for aprovada. Jório continua comandando as atividades da Casa e ficará distante somente quando as atividades discutirem ações relacionadas à decisão tomada hoje pelos vereadores.

Jório é afastado da presidência da Câmara Municipal

O afastamento do presidente da Câmara Municipal de Mossoró, Jório Nogueira (PSD), respingará, fatalmente, nas eleições deste ano. É que, com o mandato de presidente sob suspeita, Jório tende a se enfraquecer politicamente. E a coisa tende a piorar se os vereadores encontrarem algo que possa antecipar o mandato de Jório no comando da Casa. O afastamento será por 90 dias.

O motivo do afastamento diz respeito ao não-repasse da verba de gabinete. É que Jório havia retido os recursos, seguindo orientação do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que identificou falhas na prestação de contas e, por consequência, no uso da verba. Mas alguns parlamentares questionaram a medida e afirmaram que existiria lei específica para tal. A questão é que o caldo engrossou e a relação de Jório com os vereadores, que já não estava boa, azedou de vez.

Quando o blog disse que a situação de Jório tende a se complicar politicamente é porque ele chegou a ser apontado como suposto substituto do prefeito Silveira Júnior (PSD) em caso de impossibilidade de Silveira vir a disputar a reeleição. Especulou-se, inclusive, que Jório poderia ser o candidato a vice na chapa da ex-governadora e ex-prefeita Rosalba Ciarlini (PP).

Com a mácula na imagem, os planos para voos mais altos, crê o blog, foram devidamente aparados. E, com isso, Jório teria que se contentar em disputar a reeleição. Isso se não for objeto de discussão mais ampla na Câmara Municipal.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Maquete do Santuário de Santa Luzia é apresentada

A empresa paraibana Escala Escritório de Cálculos Estruturais apresentou na tarde desta segunda-feira, 11, no Salão dos Grandes Atos do Palácio da Resistência, as maquetes física e eletrônica do Santuário de Santa Luzia. Os detalhes sobre o monumento foram mostrados aos membros da Comissão Especial, instituída por meio de decreto, e que  está acompanhando cada uma das etapas de idealização da obra.

O prefeito Francisco José Júnior destacou a importância do projeto e lembrou que todo o complexo será erguido com investimento da iniciativa privada. Para o gestor, o Santuário de Santa Luzia colocará Mossoró definitivamente no circuito turístico religioso nacional e internacional, aquecendo a economia local.

“Esse não é um projeto pensado da noite para o dia. Estamos há dois anos debatendo, estudando e definindo como viabilizar a construção do Santuário. Será uma estátua com 80 metros de altura, a maior do mundo, cercada de toda uma estrutura para fomentar o turismo religioso em nossa cidade, gerando renda para o Município. Além disso, é importante deixar claro que essa grande obra não terá dinheiro público. Ela será toda feita a partir de verba oriunda da inciativa privada”, lembrou o prefeito.

O Padre Flávio Augusto Forte, vigário geral da Diocese de Mossoró, mostrou-se entusiasmado com a apresentação e também aposta que o Santuário de Santa Luzia elevará a cidade ao turismo religioso durante todo o ano.

“Esse é um momento histórico para Mossoró. Pouco a pouco estamos vendo como tornar uma ideia em realidade. Nossa cidade precisa ser inserida dentro da rota permanente do turismo religioso, não só em dezembro que é o período da Festa de Santa Luzia, mas durante todo o ano. É importante que as pessoas dessa terra se sintam também responsáveis por este mega projeto”, comemorou o Padre Flávio, que também é integrante da Comissão Especial.

As apresentações das maquetes foram feitas pelo engenheiro Argemiro Brito e pelo arquiteto Argemiro Brito Filho, diretores da empresa Escala. Na oportunidade, os dois tiraram algumas dúvidas referentes ao projeto, atendendo autoridades e imprensa que estiveram presentes no Palácio da Resistência. 

“O Santuário de Santa Luzia será um poema de aço e cristal, que transcenderá muitas gerações, levando pelos séculos afora uma mensagem de fé do povo brasileiro”, resumiu o engenheiro da Escala, Agemiro Brito.

A apresentação da maquete marca a primeira etapa de idealização do Santuário. Agora será dado encaminhamento aos documentos que tornarão domínio público a área onde será erguida a estrutura, permitindo assim a construção por algum grupo investidor.

PROJETO – As obras Santuário de Santa Luzia serão executadas em uma área de 15 hectares destinados à visitação pública na Serra Mossoró. Além do monumento em homenagem à padroeira de Mossoró, que terá 80 metros de altura, a maior estátua religiosa do mundo, o Santuário também será composto por bosques, praças, jardins, alamedas, fontes, cascatas, chafariz, nascentes, córregos e equipamentos comunitários.

O paisagismo do Santuário será composto de elementos naturais, com peças ornamentais, conjuntos de rochas, entre outros. Ao longo de todo o percurso do arvoredo, a água corrente acompanhará os visitantes. Haverá ainda um sistema de captação de águas pluviais. O Santuário será também um espaço de preservação da flora e da fauna da caatinga nordestina.

COMISSÃO - A Comissão Especial é composta por representantes da Diocese de Santa Luzia, dos Poderes Públicos (executivo e legislativo) e da sociedade civil.

Padre Flávio Augusto Forte, vigário geral da Diocese de Mossoró, padre Charles Lamartine, vice-diretor do Colégio Diocesano de Santa Luzia, e Alexandre Magno Fernandes de Queiroz, assessor jurídico da Diocese de Santa Luzia de Mossoró, representam a Diocese. O Legislativo é representado pelos vereadores Izabel Montenegro, Flávio Tácito e Sebastião Nacízio.

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Agricultura e Turismo, Secretaria Municipal de Infraestrutura, Meio Ambiente, Urbanismo e Serviços Urbanos, Secretaria Municipal de Segurança Pública, Defesa Civil, Mobilidade Urbana e Trânsito e Secretaria do Gabinete do Prefeito representam o poder executivo. A Loja Maçônica 24 de Julho, Trade Turístico e Câmara de Dirigentes Lojistas de Mossoró (CDL) integram a representação da sociedade civil na comissão.


Fonte: Secom/PMM 

sábado, 9 de abril de 2016

STF concede liminar favorável aos municípios do RN

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu liminar favorável à Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (FEMURN), aos municípios e ao Estado, na tarde desta sexta-feira (08), impedindo a devolução de R$ 192,4 milhões em complementação ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). O recurso teria que ser devolvido em parcela única ainda este mês e agravaria a situação financeira dos municípios potiguares. A decisão foi uma conquista das Prefeituras e do Governo do Estado.

Para o Presidente da FEMURN, Francisco José Silveira Júnior, a liminar representa uma vitória para os municípios, que já amargam grandes perdas: "A Federação trabalhou e se empenhou muito para essa conquista. Enviamos uma comissão de prefeitos a Brasília; colhemos a assinatura e mobilizamos todos os prefeitos para a ação coletiva; nos debruçamos sobre a peça jurídica e, felizmente, tivemos uma vitória maiúscula", afirma o presidente, ressaltando o apoio dos advogados da FEMURN e Procuradoria Geral do Estado, que também atuou na causa.

Em 2015, os municípios repassaram corretamente os dados escolares ao Fundeb, receberam a complementação e aplicaram devidamente os recursos. A União alegava que o Rio Grande do Norte não teria direito a complementação e cobrou os valores aos municípios. A FEMURN optou por ajuizar uma ação coletiva para que os municípios não fossem penalizados pelo erro de cálculo da união, e alegou que as prefeituras não agiram por má fé recebendo os recursos e os aplicando corretamente. O entendimento prevaleceu para o STF.

“Já estávamos perdendo as esperanças. Esta decisão é um alivio aos municípios. As cidades, a população e a educação não serão prejudicados”, destacou o prefeito João Paulo, de Vera Cruz, que integrou a comissão da FEMURN enviada a Brasília. Ele acrescenta que a devolução dos valores da complementação do Fundeb pioraria ainda mais a crise nas cidades. Com as recorrentes quedas no repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), royalties e receitas próprias, a dificuldade em honrar os compromissos seria ainda mais ampliada.


Fonte: Assessoria/Femurn