quinta-feira, 29 de abril de 2010

Perguntas sem respostas

Ao lado de quem o apoia, Iberê faz sinal de "legal"


Eles ainda reclamam que não têm espaços na mídia, que há discriminação, que isso e aquilo. Mas é bom reduzir, e muito, o percentual dessas queixas. Que o diga o governador Iberê Ferreira de Souza. Enviei, há quase duas semanas - especificamente no dia 20 passado - perguntas para a assessoria de comunicação do governador, com base em entendimento telefônico - já que ele estaria em São Paulo - para uma entrevista a ser veiculada no domingo subsequente, no Jornal de Fato.
Não houve resposta ás perguntas enviadas. A assessoria dele avisou, também por e-mail, que não teve contato com o governador. Dias depois é publicada entrevista com Iberê em um jornal natalense, coincidentemente no mesmo domingo para o qual se tinha conversado com a assessoria do governador.
Aqui cabe uma pergunta. ou várias: não há interesse do governador ou da assessoria em responder perguntas feitas por jornais do interior do Estado? Ou seria o motivo a pergunta inicial, se o eleitor poderia confiar de que ele realmente sairia candidato? Sem respostas.
Abaixo, as perguntas enviadas à assessoria de comunicação do governador Iberê Ferreira de Souza no dia 20 de abril passado, cuja entrevista estava programada para ser veiculada na edição de domingo último:

O vice-presidente José Alencar desistiu de tentar eleição ao Senado e alegou que não iria deixar o eleitor na dúvida por causa do tratamento contra um câncer. O senhor está fazendo quimioterapia e radioterapia. O eleitor pode confiar de que o senhor será candidato à reeleição?
Como tem sido a sua agenda administrativa, já que o senhor passa a semana em São Paulo fazendo tratamento? Dá para conciliar com o trabalho?
Quando o senhor assumiu o Governo do Estado falou-se em choque de gestão.
Onde estão sendo aplicadas essas ações?
Nove meses de administração é tempo suficiente para corrigir distorções que possam ser constatadas na administração estadual?
O senhor, quando vice-governador, afirmou em Mossoró que iria criar uma secretaria específica para a segunda maior cidade do Estado. Como governador, o senhor reafirma essa ideia?
Qual o perfil ideal do seu candidato a vice-governador?
Fala-se que, pelo fato do senhor estar na disputa direta com a senadora Rosalba Ciarlini, seu vice poderia sair de Mossoró e que o nome pré-definido seria a deputada estadual Larissa Rosado. Há procedência nessa afirmação?
Como o senhor analisa a formação da pré-aliança do PR, PMDB e PV?
Havia um compromisso para o PR indicar o vice na chapa majoritária?
O PSB não fica enfraquecido para a disputa na Câmara Federal, já que o partido conta com apenas uma deputada?
O senhor confirma as candidaturas de Vágner Gutemberg e Luiz Cláudio Chope para a Câmara Federal?
Esse projeto não enfraqueceria a deputada Sandra Rosado?