sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Com atraso, Robinson anuncia rompimento com Rosalba

O rompimento político com a governadora Rosalba Ciarlini (DEM), anunciado á tarde pelo vice-governador Robinson Faria (PSD), já era esperado. Aliás, desde a terça-feira, 18, que se teve essa confirmação. É que no dia seguinte à chegada de Rosalba dos Estados Unidos, o normal seria a publicação de portaria com a renomeação de Robinson à Secretaria Estadual dos Recursos Hídricos. O que não ocorreu, obviamente.

O que está por trás do jogo de palavras que permeia essa cena é mais complexo do que se imagina. Há quem fale em interferência externa nas emendas feitas pela Comissão de Justiça da Assembleia no projeto do Governo, relacionado ao pedido de empréstimo de US$ 540 milhões ao BIRD. Se existe essa conversa, sinal de que algo precisa ser explicado.

O ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves (PDT), chegou a fazer uma afirmação certeira certa vez: "vice é vice". Robinson Faria quis ser muito mais do que um vice: ele pleiteava ser maior até que o próprio governo.

As tentativas de emparedamento do governo Rosalba Ciarlini mostraram claramente isso. Primeiro, ele tentou robustecer o seu PSD na Assembleia Legislativa. Queria uma bancada maior que a do governo. Não conseguiu, logicamente, porque a governadora reagiu na hora certa e impediu. Depois, tentou modificar o projeto do empréstimo para fortalecer, financeiramente, a própria secretaria. Mais uma vez a governadora entrou em cena e impediu.

Robinson, na verdade, se queimou. Ele queria, no popular, abraçar o mundo com as pernas. Dar um passo maior, mas faltou-lhe elasticidade e robustez política. Talvez ele tenha pensado que ainda era o todo-poderoso da Assembleia Legislativa. Coisa essa que o atual presidente, Ricardo Motta (PMN), tratou de esclarecer quem é que dá as ordens agora na Casa.

A alegação feita pelo vice-governador, de que estava saindo do governo para se manter leal à governadora Rosalba Ciarlini, na verdade, se trata de pura fantasia política. Ele sai pelo simples fato de ter tido as asas aparadas antes que viesse a se tornar bem maior do que realmente é.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Planejamento autoriza publicação do edital de concurso para o INSS

A ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, assinou a autorização para a publicação do edital do concurso que selecionará 1500 técnicos do seguro social para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A autorização para a realização do processo seletivo deverá ser publicada na edição desta quarta-feira (19) do Diário Oficial da União.

As vagas, oferecidas para candidatos de nível médio, são para trabalhar nas Agências de Previdência Social (APS) em todo o país. A maior parte dos novos contratados deverá ficar lotada nas novas agências previstas no Plano de Expansão da Rede de Atendimento (PEX). A expectativa é que nos próximos dias o Ministério do Planejamento também autorize oficialmente o concurso para peritos médicos.

Quando recebeu a notícia da assinatura da autorização para o concurso – por meio de telefonema da própria ministra Miriam Belchior - o ministro da Previdência, Garibaldi Alves Filho estava reunido com a bancada federal de Pernambuco, na Câmara dos Deputados. O assunto foi a construção das agências do Plano de Expansão da Rede de Atendimento (PEX) da Previdência Social previstas para o estado.

O ministro Garibaldi Alves Filho tem se reunido com as bancadas de diversos estados para viabilizar a construção das agências do PEX. O Orçamento da União para o próximo ano - que está sob apreciação do Congresso Nacional - reservou R$ 100 milhões para a construção das obras do PEX. Deste valor, R$ 25 milhões serão investidos na conclusão de obras já iniciadas.

O Plano de Expansão, iniciado em 2009, prevê a implantação de 720 novas APS. Desse total, 86 já foram inauguradas. Até o final de 2014, as 634 unidades restantes deverão ser entregues à população. A proposta do ministro Garibaldi Alves é que os deputados reservem parte de suas emendas individuais ao Orçamento para alocar recursos visando acelerar a construção das novas agências da Previdência.

Nesta terça-feira (18) o ministro reuniu-se com as bancadas federais de Santa Catarina, Pernambuco, Pará e São Paulo. Ele participou das reuniões acompanhado pelo secretário-executivo do Ministério, Carlos Eduardo Gabas; e pelo presidente do INSS, Mauro Luciano Hauschild.

sábado, 15 de outubro de 2011

‘Poderei contribuir ainda mais em outras funções’

O secretário municipal de Serviços Públicos, Alex Moacir, nome do PMDB cotado para compor a chapa majoritária com o DEM, não desconversa sobre esse projeto e reafirma interesse no tema, embora diga que existem outros nomes no partido que podem ser indicados. Alex afirma ter orgulho de participar do governo Fafá Rosado (DEM) e de estar contribuindo com o desenvolvimento de Mossoró, e afirmou que poderia contribuir mais e melhor em outras funções. Sobre a decisão relacionada à sucessão da prefeita Fafá Rosado, o secretário afirmou que o processo será conduzido pela governadora Rosalba Ciarlini (DEM) e pela própria prefeita.


O PMDB se mantém disposto a reivindicar espaço na chapa majoritária governista?
O PMDB é aliado ao DEM tanto a nível local como a nível estadual, participa da administração da prefeita Fafá Rosado e como aliado é natural que almeje participar da chapa majoritária nas eleições de 2012. O nosso projeto está atrelado ao projeto da prefeita Fafá e da Governadora Rosalba.

Os recentes fatos políticos mostram que o senhor seria o nome do PMDB para compor com o DEM. O senhor aceitaria ser o candidato a vice-prefeito?
Eu tenho muito orgulho de participar do Governo da prefeita Fafá e poder servir e contribuir com o desenvolvimento da minha cidade.  Poderei sim contribuir ainda mais em outras funções. No momento, o nosso partido almeja participar da chapa majoritária sem discutir nomes, temos bons quadros no nosso partido, não só Alex Moacir.

Aparentemente existe uma divisão no grupo governista. Uns defendem o nome da vereadora Cláudia Regina como candidata à sucessão da prefeita Fafá Rosado e outros apostam na vice-prefeita Ruth Ciarlini. Como o senhor acha que essa questão será resolvida?
O Processo sucessório no nosso grupo será conduzido pela governadora Rosalba e pela prefeita Fafá, que juntas saberão definir o melhor nome, aquele que agregue todos os demais pré-candidatos. Vale salientar que entre os pré-candidatos governistas, existe um relacionamento harmonioso.

Acompanhando a prefeita Fafá Rosado em várias ocasiões, inclusive de eleições bem anteriores, como o senhor vê essas especulações relacionadas à renúncia da prefeita? Ela tem conversado sobre essa possibilidade?
Nunca conversei com a prefeita sobre esse assunto. O que posso falar é que li uma entrevista sua para um jornal local que fala do desejo de concluir o seu mandato.

Como integrante da executiva local do PMDB, qual a meta do partido com relação à chapa proporcional?
Tanto eu como a presidente Isabel ficamos muito felizes com o número de pré-candidatos a vereador que conseguimos filiar. Posso afirmar que temos um grupo muito forte e que teremos uma das maiores bancadas na Câmara Municipal a partir de 2013.

Como o senhor vê a peleja entre o PMDB e o PSD, já que os dois partidos têm interesse em comum para 2014? Será possível uní-los em Mossoró nas eleições de 2012?
O PSD e o PMDB participam do governo Rosalba Ciarlini. Espero que possamos marchar juntos no pleito de 2012.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

PSD de Mossoró: governo ou oposição?

O PSD na Câmara Municipal de Mossoró emitiu, na sessão desta terça-feira, 11, sinais evidentes de que já escolheu seu caminho: seguirá a oposição ao Palácio da Resistência. A leitura que se faz do debate ocorrido hoje indica essa decisão. Caso contrário, quais os motivos que levaram o vereador Jório Nogueira (PSD) a afirmar que quatro vereadores oposicionistas tinham assinado documento, no qual pediam que a prefeita Fafá Rosado (DEM) pagasse o FGTS dos servidores?

Outra pergunta: quem são os quatro vereadores? Resposta simples e direta: ele (Jório), Genivan Vale (PR), Lairinho Rosado (PSB) e o presidente da Casa, Francisco José da Silveira Júnior (PSD). Daí, entende-se que o discurso que vem sendo passado ao público, de que existe a possibilidade do novo partido seguir com o Democratas mossoroense, é pura balela.

Até porque Silveira sabe que terá maior espaço se seguir a oposição. Matemáticamente provado e comprovado. Ele tem perfeita noção de que, se abraçar o projeto governista ficará em situação delicada e pode colocar a sua reeleição em risco.

Além disso, é público e notório que Silveira tem maior aproximação política com as deputadas Sandra Rosado (PSB) e Larissa Rosado (PSB). 

Diante desse quadro, especula-se que o PSD indicaria o candidato a vice-prefeito na chapa a ser encabeçada por Larissa Rosado. No caso, o nome em questão seria o ex-deputado estadual Francisco José, pai de Silveira.

A questão é: será que Silveira Júnior vai mesmo tomar essa posição política? Ao que se sabe, o ex-deputado Francisco José e a sua esposa (cujo nome o blog não lembra agora) ocupam cargos comissionados. Ele na Assembleia Legislativa e ela, no Governo do Estado.

Diante disso, e sabendo que o presidente da Assembleia, deputado estadual Ricardo Motta, está mais rosalbista do que a própria governadora Rosalba Ciarlini (DEM), qualquer sinal de afronta ao projeto do Democrata em Mossoró é tiro no pé. Isso por parte de Silveira Júnior e o PSD mossoroense.


Base governista passa na 'prova de fogo' na AL

A base governista na Assembleia Legislativa derrubou o substitutivo ao projeto enviado pelo Governo do Estado, relacionado ao empréstimo de US$ 540 milhões ao Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD). O que está em votação, e consequentemente será aprovado, é a proposta original.

Os deputados estaduais ligados à governadora Rosalba Ciarlini (DEM), com o ato, passaram na prova de fogo.

Com a aprovação do empréstimo, a governadora Rosalba Ciarlini tem o aval para discutir o assunto com o BIRD, que acontece ainda hoje.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

COLUNA

O cenário político mossoroense continua embolado. Principalmente com relação ao grupo governista. A peleja sobre a renúncia da prefeita Fafá Rosado (DEM) é a principal arma utilizada pela oposição, que se vale do artifício da incerteza para dar robustez à pré-candidatura da deputada estadual Larissa Rosado (PSB) à Prefeitura de Mossoró.

É sabido que o governismo desponta com dois nomes em evidência e um terceiro a ser posto na labuta política a qualquer momento. A vereadora Cláudia Regina (DEM) e a vice-prefeita Ruth Ciarlini (DEM) aguardam a decisão do presidente local do Democratas, ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado. A segunda precisa de uma operação minuciosa e bem arquitetada e a qual depende da renúncia de Fafá Rosado, que tem afirmado, continuamente, que cumprirá seu mandato até o dia 31 de dezembro de 2012. A primeira tem se projetado e continuado a pavimentação do alicerce rumo ao Palácio da Resistência. Para as duas, um só problema: a decisão de Carlos Augusto.

Fafá Rosado e o deputado estadual Leonardo Nogueira (DEM) afirmam que a decisão sobre o nome caberá a governadora Rosalba Ciarlini (DEM). Rosalba já emitiu sinais claros que deseja a irmã, Ruth Ciarlini, como candidata. Mas não depende apenas da sua vontade. É preciso arregimentar apoios e deixar a vice-prefeita mais robusta politicamente. Esse é o desafio. Cláudia, por sua vez, estaria mais forte do que Ruth, mas precisa de mais. Especificamente, da simpatia e do aval da governadora.

Larissa Rosado tem compreendido essa configuração do cenário político governista e usa as armas que tem: projeta-se como um nome que poderia ter o aval de Rosalba e de Carlos Augusto, dando sinais de que a união da família Rosado seria possível. Faz parte de uma estratégia que pode ganhar corpo.

Na outra rabeira da oposição, o reitor da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA), professor Josivan Barbosa de Menezes (PT), também usa as armas que dispõe: o discurso de bom gestor tem sido propagada aos quatro cantos de Mossoró. Contudo, o discurso antirrosadista é velho. Esse marketing não colou em eleições passadas.

 A bancada governista na Assembleia Legislativa tem que mostrar serviço nesta terça-feira, 11. É que o projeto enviado pela governadora Rosalba Ciarlini sobre pedido de empréstimo de US$ 540 milhões ao Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), finalmente, vai ser apreciado pelo plenário da Casa. É a chamada "prova de fogo" para os deputados que dão sustentação ao governo democrata. Rosalba aguarda a decisão da AL nos Estados Unidos. A Assembleia decidirá o projeto no mesmo dia em que a governadora tem agendada reunião com a diretoria do BIRD.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

`A última coisa que ela fará é sair do seu partido`

O presidente nacional do Democratas, senador José Agripino Maia, e mentor político da vereadora Cláudia Regina (DEM), tratou de colocar fim nas especulações de que ela sairia do DEM para outro partido a fim de consolidar o projeto de disputar a Prefeitura de Mossoró em 2012. Para Agripino, Cláudia terá apoio do partido para qualquer cargo que queira se submeter à avaliação das urnas. “Para ser candidata a qualquer coisa ela contará com o partido dela. A última coisa que ela fará é sair do seu partido”, afirmou. O senador também falou que não existe nenhuma conversa relacionada à sucessão da prefeita Fafá Rosado e disse que o tema será tratado pela governadora Rosalba Ciarlini, ex-deputado Carlos Augusto e pela própria prefeita.

Tem se especulado que a vereadora Cláudia Regina teria quer sair do DEM para se candidatar à Prefeitura de Mossoró. O senhor autorizará a saída dela?
JOSÉ AGRIPINO - Pergunta mais sem futuro. Cláudia Regina é um quadro do DEM, disciplinada e que nos orgulha muito. A última coisa que passaria pela cabeça dela era sair do Democratas para sair candidata. Para ser candidata a qualquer coisa, ela contará com o partido dela. A última coisa que ela fará é sair do seu partido.

QUAL a situação atual do DEM com relação à sucessão?
DE EXPECTATIVA, de ouvir a governadora Rosalba Ciarlini, que é grande líder em Mossoró, de ouvir o presidente do DEM Carlos Augusto, que é um homem hábil, competente e paciente, de ouvir os pleiteantes da função. Falta um ano, e por que iremos decidir o candidato agora? Não tem fundamento nem precisão disso. E não há razão para isso.

NÃO se tem nada conversado sobre a sucessão da prefeita Fafá Rosado?
NÃO. O que existem são naturais anseios e especulações. Mas não tem nada definido.

O DEM terá candidato a prefeito em todos os municípios?
CANDIDATO próprio ou candidato com aliança. O DEM sairá dessa eleição municipal maior do que é hoje. E no Brasil, bem maior do que está.

COMO o DEM fica com relação ao PSD?
ESSE é um assunto encerrado. Mantemos todos os nossos questionamentos e nossas dúvidas, mas se o TSE decidiu, está decidido.

É POSSÍVEL uma aliança com o PSD?
SERÁ decidido pela executiva nacional como uma postura no Brasil inteiro e será levado aos diretórios estaduais na composição das chapas nos municípios. É uma coisa a ser decidida mais na frente e em caráter nacional. O que será feito no Amapá será feito no Rio Grande do Norte. O que será feito no Rio Grande do Norte será feito no Rio Grande do Sul.

E COM relação à aliança com o PMDB? A parceria está fechada?
NÃO há nenhum questionamento a ser levado à executiva nacional com relação ao PMDB. Está fechada e consolidada.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Robinson é colocado no seu 'quadrado'

Não é novidade e nem segredo para ninguém: o vice-governador Robinson Faria (PSD) quis ser maior que a governadora Rosalba Ciarlini (DEM). Precisou ser lembrado daquela musiquinha, que diz "... cada um no seu quadrado." Robinson achou que continuaria na velha política de dar as cartas no governo. Pensou, apenas.

Certamente ele não imaginou que Rosalba e o ex-deputado estadual Carlos Augusto iriam aceitar a continuação de algo que não deu certo antes. Sim, porque o que Robinson queria era se manter no topo das decisões, de ser procurado pelo governo como era no tempo de Wilma de Faria.

Outro erro do vice-governador foi achar que ele estaria acima da própria governadora. Ora, difícil imaginar que um um vice poderia pensar ter mais poder do que o titular.

Não foi à toa que Rosalba chegou ao Governo do Estado. E também não foi à toa a derrota de Robinson na Assembleia Legislativa. O marido da governadora, ex-deputado Carlos Augusto, sabe perfeitamente os "caminhos das pedras" do Legislativo estadual. Afinal, ele foi presidente da Casa. Robinson chegou a imaginar que somente ele conhecia os meandros da AL. E foi esse o erro fatal.

O desentendimento político entre Robinson e o governo é evidente. Tanto que o presidente da AL, Ricardo Motta, fez essa afirmação em entrevista à imprensa natalense: "é do conhecimento de todos do estremecimento de Robinson com o Governo." E notório, o blog acrescenta.


terça-feira, 4 de outubro de 2011

Especulação pós-passagem de Rosalba em Mossoró

A passagem da governadora Rosalba Ciarlini em Mossoró, semana passada, deu sinais claros acerca do nome que disputará a Prefeitura de Mossoró em 2012. Não foi à toa que o Governo do Estado se instalou na Vice-Prefeitura. Tampouco o holofote que surgiu sobre a secretária de Infraestrutura do Estado, Kátia Pinto.

Na lista do "não foi à toa", o ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado ciceroneou o presidente nacional do Democratas, senador José Agripino Maia na quinta e sexta-feira passadas. Sinais dos tempos? Evidentemente que não. Os sinais são outros.

Sabe-se que no sábado houve uma reunião em determinado hotel da cidade e da qual José Agripino participou. O blog se reserva no direito de não nominar os demais presentes, mas adianta que o assunto foi o de sempre: a sucessão da prefeita Fafá Rosado (DEM).

Claro que a governadora Rosalba Ciarlini tem interesse em fazer da vice-prefeita Ruth Ciarlini a candidata natural à reeleição, mas esbarra na renúncia da prefeita Fafá Rosado. O que também é natural que não aconteça. E se vier, também não será algo inesperado.

O que se pode dizer é que todos os pré-candidatos governistas continuam no páreo. Mais chances para a vereadora Cláudia Regina (DEM). Ruth também não deve ser menosprezada ou escanteada. Tem igual percentual de Cláudia de vir a ser a escolhida.

Tudo depende, agora, de como os nomes postos vão se comportar até o veraneio, que é quando tudo se decide.

Em uma emissora de rádio local, José Agripino pôs panos frios na suposta ida de Cláudia Regina para o PSD. Ele afirmou que a vereadora terá apoio do Democratas para disputar "qualquer coisa" e que sair do DEM era a última coisa que passava pela cabeça de Cláudia.