segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

RN vai utilizar toda a oferta de água da transposição do Rio São Francisco

O Estado do Rio Grande do Norte possui projetos para utilizar toda a demanda de oferta de água da Transposição do rio São Francisco. A informação foi dada pelo secretário de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), Gilberto Jales, na apresentação do workshop “Oportunidades e impactos do Projeto de Integração do rio São Francisco”, que ocorreu no auditório da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern), na tarde de hoje (30).
A transposição ocorrerá no Rio Grande do Norte a partir das Bacias do Piranhas/Açu e Apodi/Mossoró. Entre as obras potencializadas pela transposição estão à adutora do Alto Oeste e a Santa Cruz/Mossoró. Indiretamente todo o Estado ganha com a oferta de água e diretamente toda a população que vive ao longo das bacias beneficiadas. Gilberto Jales lembrou que o Estado tem responsabilidade em viabilizar a transposição. “O desenvolvimento do Estado passa pela sustentabilidade hídrica”, ressaltou.
Há também previstos projetos de irrigação como o da Chapada do Apodi, Medubim e de áreas alagadas próximos aos rios. Entre os projetos planejados estão à construção da barragem de Oiticica em Jucurutu e o Canal do Sal que se propõe o desvio das águas do Rio Apodi/Mossoró na região salineira. Ainda dentro dos projetos previstos para a transposição está o abastecimento de água e esgotamento sanitário em 30 municípios das bacias receptoras da transposição do São Francisco.
De acordo com o assessor especial do Ministério da Integração Nacional, José Machado, não há mais volta para o projeto da transposição. Para ele, os quatro estados a serem beneficiados entre 2014 e 2015 com esta nova oferta de água devem estar preparados para a gestão desses recursos hídricos. “O Governo Federal tem investido bilhões de reais para torná-la realidade.” Os Estados beneficiados são Paraíba, Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Norte.
José Luiz Sousa, coordenador substituto do Conselho Gestor do Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional (PISF), apresentou uma série de informações aos presentes, entre elas que a água será disponibilizada ao RN, a partir de 2015, com acesso pela cidade paraibana de São José de Piranhas, por meio do eixo norte do projeto.
Segundo Sousa, os principais atores nesta empreitada são o próprio Ministério da Integração Nacional, através da Secretaria de Infraestrutura Hídrica e o Conselho Gestor, além da Agência Nacional de Águas (ANA) e Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (DNOCS). No plano estadual, o esforço deve abranger não somente a área de recursos Hídricos e meio ambiente, mas também planejamento, infraestrutura, desenvolvimento e companhias de saneamento. Universidades e centros de pesquisas também devem se engajar nessas discussões.
O workshop foi destinado aos técnicos do Governo do Estado. Estiveram presentes também o Secretário de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração, Sérgio Duarte de Castro, o diretor da ANA, Paulo Varella e Antônio Felipe Leite que representou a Secretaria Nacional de Irrigação do Ministério da Integração.

Fonte: Assessoria de Imprensa

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Josivan reage à proposta do PSB

O PSB ainda não desistiu de contar com o apoio do PT à candidatura da deputada estadual Larissa Rosado ao Palácio da Resistência. A tática agora se volta ao discurso de manter a base aliada da presidente Dilma Rousseff (PT) unida em Mossoró.

Uma reunião realizada na tarde da quarta-feira passada, da qual participaram o vereador Lairinho Rosado – presidente local do PSB – e Pedro Almeida, bem como a executiva local do Partido dos Trabalhadores, o assunto foi posto.

Ontem o reitor da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) e pré-candidato a prefeito do PT, professor Josivan Barbosa de Menezes, disse que o PSB quer liderar o movimento (da base unida) para beneficiar Larissa Rosado. Ele afirmou ainda que não se pode partir da premissa de unir a base sem que nenhuma reunião tivesse ocorrido antes para discutir quem seria o candidato.

“A base aliada nunca discutiu quem seria o candidato. A família (com relação à Sandra Rosado) já saiu da eleição passada sabendo quem seria o candidato em 2012. Como agora pensa em discutir com a base aliada?”, questionou Josivan Barbosa, acrescentando: “os partidos aliados são no plano nacional. Aqui a coisa é diferente”, disse.

Josivan Barbosa disse que está disposto a conversar com todos os partidos – exceto com o PSDB e com o DEM. Disse que, apesar de haver um indicativo de que o PDT indicará o candidato a vice-prefeito (no caso o empresário Rútilo Coelho), o PT pode alterar essa composição. “O PSB pode indicar o vice”, comentou, acrescentando que até agora somente o PDT não teve dúvidas do projeto petista. “A chapa está sinalizada e estamos conscientes de que a qualquer hora pode haver nova negociação.”


Nessa negociação, o pré-candidato do PT não descarta uma conversa com o Partido Verde (PV), presidido em Mossoró pelo secretário municipal da Cidadania, professor Francisco Carlos. Josivan Barbosa afirmou ainda que está focado na questão da chapa majoritária e que o PT precisa avançar na pré-campanha. 


Diante disso, ele voltou a dizer que não existe mais tempo para pensar na proposta do PSB.

“Não há mais espaço para este tipo de debate, de união da base aliada. Toda a movimentação de reunião deles, pela unificação da base, não vai derrubar a decisão do PT. Aliás, nenhuma reunião derruba a decisão da plenária (do PT)”, disse.


O PT realizou duas plenárias em 2011. A primeira foi em junho, quando o nome de Josivan foi apresentado, e a decisão foi ratificada em setembro. “Só quem derruba (a decisão) é outra plenária”, afirmou.

 

Ajuda

O reitor da Ufersa raciocina que o grupo liderado pela deputada federal Sandra Rosado foi quem mais colaborou com o Democratas em Mossoró. Disse que nas últimas quatro eleições o grupo sandrista já saiu com um nome definido e partirá para o quinto pleito usando a mesma estratégia.


“Na eleição para o Senado, com certeza os eleitores de Larissa votaram em Rosalba. Como ela pôde obter 88% dos votos? No ano passado, ela (Sandra) traiu o PT, não aceitou o nosso candidato (Hugo Manso) e apoiou Garibaldi (Filho), que era aliado do DEM. Agora querem cobrar sobre união da base”, comentou o reitor.

 

Calendário


Como não existe nenhuma possibilidade de retroceder no projeto petista, Josivan Barbosa disse que já fez a solicitação à executiva municipal para elaborar um calendário eleitoral. Para ele, é importante que o partido tenha seu cronograma definido antes do dia 30 de março. “O calendário dirá, por exemplo, até que dia algum filiado pode contestar a resolução que apontou para a nossa pré-candidatura.”