sexta-feira, 30 de maio de 2014

Alex Moacir tem postura elogiável

Elogiável a postura do presidente interino da Câmara Municipal, vereador Alex Moacir (PMDB). Quando muitos esperavam que ele não iria à solenidade de diplomação e posse do prefeito Francisco José Júnior (PSD) e do vice-prefeito Luiz Carlos (PT), lá estava Alex, contrariando as apostas. E ele realmente fez o que deveria. Não ficava bem o presidente do Legislativo se apequenar e Alex Moacir mostrou que é possível deixar de lado alguma divergência política e cumprir o papel atribuído a ele nestes cinco meses.

E o blog falou isso para o próprio Alex ainda a pouco. Ele disse que não tinha nada a ver não ir ao evento. Até porque, disse, uma coisa não tem nada a ver com outra. Obviamente que ele se referiu ao processo eleitoral passado. Mas ele deixou bem claro que são "águas passadas".

Alex Moacir voltou a dizer que não tem interesse em permanecer na presidência da Câmara Municipal. O blog perguntou se ele iria fazer uma espécie de prestação de contas, mas ele disse que iria pensar sobre o assunto. É que as obrigações de um presidente, guardadas as devidas proporções, também são executoras. Tem-se obrigações com servidores, repasse de encargos sociais, pagamento a fornecedores e prestadores de serviços.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Alex Moacir diz que cumpriu seu papel

O presidente interino da Câmara Municipal, vereador Alex Moacir (PMDB), descartou interesse em disputar a presidência da Casa. A eleição deverá acontecer na próxima terça-feira. "Já cumpri meu papel", disse ao blog.

Alex Moacir, contudo, avisou que não se ausentará do processo eleitoral e afirmou: "vou estar ao lado do próximo presidente."

Estão na disputa os vereadores Jório Nogueira (PSD), Francisco Carlos (PV), Soldado Jadson (Solidariedade), Flávio Tácito (DEM) e Alex do Frango (PV)

Robinson descarta conversar com Rosalba Ciarlini

O vice-governador Robinson Faria (PSD) descartou a possibilidade de conversar com a governadora Rosalba Ciarlini (DEM), caso o Democratas negue legenda à reeleição dela. Segundo ele, o caminho mais natural é o DEM apoiar o PMDB.

"Saí do governo democrata no começo. Estamos, PT e PSD, unidos e buscamos o PC do B", afirmou Robinson ao blog.

O vice-governador evitou maiores comentários sobre a questão envolvendo o DEM e disse que o assunto é interno.

Sobre Mossoró, Robinson Faria acredita que a vitória do prefeito Francisco José Júnior (PSD) foi um recado ao Rio Grande do Norte. Segundo ele, os "acordões políticos" não estão sendo aceitos e disse que não fala por nenhum partido.

Leonardo Nogueira diz que DEM caminha para apoiar PMDB

O deputado estadual Leonardo Nogueira (DEM) disse ao blog que a reunião que acontecerá na segunda-feira, a partir das 9h, na sede do Democratas, em Natal, decidirá os rumos que o partido tomará às eleições de outubro próximo. O encontro, que vai ser coordenado pelo presidente nacional da legenda, senador potiguar José Agripino Maia, decidirá se o DEM apostará na reeleição da governadora Rosalba Ciarlini (DEM) ou se faz aliança com o PMDB, apoiando a candidatura do deputado federal Henrique Eduardo Alves ao Governo do Estado.

Segundo Leonardo Nogueira, 59 membros do DEM votarão. Destes, disse que cerca de 10 são suplentes.

Perguntado sobre a expectativa do encontro, o deputado estadual democrata afirmou que a diretriz sentida é a de que o DEM se coligará com o PMDB (na chapa proporcional) e apoiará Henrique Alves. "É preciso analisar se vamos apoiar algo de risco", disse.

A reunião, ainda segundo Leonardo Nogueira, deve durar às 11h30.

Portanto, falta pouco para se saber qual será a posição do DEM acerca das eleições deste ano.

A governadora Rosalba Ciarlini tem trabalhado para garantir que o seu partido lhe dê legenda para que ela possa tentar a reeleição. A tese defendida por José Agripino é a de que Rosalba estaria inelegível. Algo que os advogados dela não aceitam e têm afirmado que a governadora poderá, facilmente, obter o aval do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para a disputa eleitoral deste ano.

Líderes do PT, PSD, DEM e PMDB prestigiam posse de Silveira

A solenidade de diplomação e posse do prefeito Francisco José Júnior (PSD) e do vice-prefeito Luiz Carlos (PT), que foi prestigiada por populares, contou com a presença de líderes que caminharam junto com os dois nas eleições suplementares de 4 de maio último.

Estiveram o vice-governador Robinson Faria (PSD), o deputado federal Fábio Faria (PSD), a deputada federal Fátima Bezerra (PT), deputado estadual Antônio Jácome (PMN) e o deputado estadual Leonardo Nogueira (DEM). A ex-prefeita Fafá Rosado (PMDB) também compareceu à solenidade.

A juíza Ana Clarisse, da 34ª zona eleitoral, parabenizou os eleitos e disse que todos (a população) tem o dever de acompanhar os atos administrativos de Silveira Júnior e Luiz Carlos.

Com a diplomação, o período de condutas vedadas chega ao fim e o prefeito Francisco José Júnior poderá, a partir de agora, tomar decisões que não poderiam ter sido executadas antes, como a convocação de 150 professores e demais candidatos aprovados em recente concurso público realizado pela Prefeitura de Mossoró.

Reforma administrativa sairá depois da auditoria

O prefeito Francisco José Júnior (PSD), que foi diplomado e empossado agora a pouco em solenidade no Teatro Municipal Dix-huit Rosado, afirmou que a reforma administrativa - com a extinção de subsecretarias e o retorno da Chefia de Gabinete, bem como de duas secretarias - será feita entre julho e agosto.

Mas a decisão do prefeito não foi alterada. Ele afirmou que a reforma sairá e que enviará o projeto para análise da Câmara Municipal depois que receber o relatório relacionado à auditoria na folha de pagamento dos servidores públicos mossoroenses.

Com isso, a posse do secretariado do prefeito, que ocorrerá na segunda-feira, será ainda nos moldes atuais. 

Silveira e Luiz Carlos renunciam às 11h

O prefeito em exercício Francisco José Júnior (PSD) renunciará ao cargo de vereador às 11h de hoje, em sessão extraordinária na Câmara Municipal de Mossoró, bem como o vereador Luiz Carlos (PT). Os dois foram eleitos prefeito e vice-prefeito, respectivamente, na eleição suplementar realizada em 4 de maio passado.

A renúncia é necessária e imprescindível à diplomação e pose deles, que ocorrerão à noite desta quinta-feira, às 19h, no Teatro Municipal Dix-huit Rosado.

O novo secretariado do prefeito Silveira Júnior será anunciado na segunda-feira. Não se sabe, contudo, se a composição de auxiliares seguirá com o norte das mudanças já anunciadas pelo prefeito. Porém, ele pode dar posse à equipe e, posteriormente, fazer as alterações mais na frente.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

O desafio político de Silveira Júnior

O prefeito Francisco José Júnior, que será diplomado e empossado nesta quinta-feira, começará a titularidade do cargo com uma missão a mais. É que, além de dar continuidade ás ações administrativas próprias da sua gestão, ele terá que se evidenciar nas eleições de outubro. A tarefa é a de mostrar que se constitui em figura de líder da segunda maior cidade do Rio Grande do Norte. Silveira, que venceu a eleição suplementar realizada em 4 de maio passado com 68.905 votos e emplacou mais de 31 mil votos de maioria sobre a deputada estadual Larissa Rosado (PSB), enfrentará agora o desafio de mostrar que é bom de transferir votos.

É certo que não será tarefa fácil. Afinal, é a primeira vez que ele assume cargo executivo (por força das urnas), bem como que a eleição suplementar realizada em Mossoró foi totalmente fora dos padrões tidos como normais. Mas, mesmo assim, ele obteve sucesso considerável. Conseguiu reunir grande número de apoiadores em torno de seu nome e isso evidenciou que Silveira sabe se articular.

E é essa articulação que será testada mais uma vez. Por ser cidade pólo, Mossoró terá papel importante nas eleições de outubro próximo. E ainda tem um diferencial: Silveira é do partido do vice-governador Robinson Faria (PSD), que deverá disputar o Governo do Estado. O prefeito também apoiará o deputado federal Fábio Faria (PSD) e o deputado estadual Leonardo Nogueira (DEM).

Em tese, os três deverão ter boa votação em Mossoró. Tudo depende, obviamente, de como o prefeito Francisco José Júnior vai se comportar a partir da sua posse. Ainda em tese, somente depois da posse é que Silveira vai tomar de conta da sua administração. Até agora ele estava na interinidade. Mas deu conta do recado. Tanto que foi eleito à titularidade do cargo. E continuar no mesmo ritmo é a sua principal tarefa.

E é aí que entra a questão eleitoral propriamente dita. Se o prefeito mantiver o mesmo ritmo e congregar apoiadores em torno de seus candidatos, obviamente que ele terá sucesso e evidenciará algo que já vem sendo questionado pela imprensa natalense - especificamente pela jornalista Anna Ruth Dantas, que mantém o blog Panorama Político no site do jornal Tribuna do Norte.

O que o prefeito deve fazer, ao ver do blog, é esperar pelas definições. Falta muito, muito pouco para as convenções partidárias. E nenhum nome posto pode ser considerado candidato ainda. E o que o prefeito tem dito até aqui, dos nomes que apoiará, pode ser alterado mais na frente. Afinal, a política é dinâmica.

Agripino e suas contradições

O blog, sinceramente, não acredita na história de que o Democratas potiguar vai se reunir para decidir se a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) será candidata à reeleição ou não. A decisão já está tomada. Tanto que o presidente nacional da legenda, senador José Agripino Maia, teria fechado acordo com o presidente da Câmara Federal, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB), que sonha em ser candidato único ao Governo do Estado.

A história de Agripino dizer, conforme propagou um blog de Caicó, de que Rosalba iria para uma candidatura subjúdice, sinceramente, é conversa para boi dormir. José Agripino Maia se enche de contradição. Como é que ele fala em implicação jurídica na candidatura de Rosalba se ele foi a Ipanguaçu, ao lado de Henrique, declarar apoio e subiu ao palanque de José de Deus Barbosa (PP), que tenta retornar à Prefeitura daquela cidade agora em 1º de junho?

Para quem não sabe, José de Deus está encrencado com uma "impossibilidade jurídica". Mas José Agripino, certamente, percebeu que a candidatura de José é viável.

Não se sabe dos motivos que levaram o presidente nacional do Democratas a ser tão peemedebista de uma hora para outra. A ponto de rifar seu próprio partido. O certo é que tais motivos devem chegar ao conhecimento público em breve. 

terça-feira, 27 de maio de 2014

Sem apoio do PMDB, Fafá tende a apoiar Robinson

A vereadora Izabel Montenegro, presidente mossoroense do PMDB, está "cuspindo no prato que comeu". Depois de ser presidente da Fundação de Geração de Emprego e Renda (FUNGER) e secretária do Desenvolvimento Econômico - nos governos de Fafá Rosado (PMDB) e Cláudia Regina (DEM), respectivamente, a parlamentar resolveu colocar em xeque algo que deveria ter exposto bem antes: que a gestão Fafá Rosado foi marcada por desvio de conduta. Algo que, evidentemente, mancha também a própria Izabel, porque se algum governo é tido como corrupto, seus auxiliares também se melam.

Mas o sentido que se percebe nas palavras de Izabel, de algum tempo para cá, é que ela não estaria falando com suas próprias palavras. Todo mundo sabe que ela é a "porta-voz" do presidente da Câmara Federal e presidente do PMDB estadual, deputado Henrique Eduardo Alves. Assim sendo, a desqualificação moral que vem sendo feita contra Fafá por Izabel, pela lógica, seria a mando do próprio Henrique, que não quer dar legenda para que a ex-prefeita Fafá seja candidata a deputada federal.

Trata-se de uma estratégia perigosa para o próprio Henrique. Aliás, Henrique Alves está praticamente empurrando Fafá Rosado para os braços do vice-governador Robinson Faria (PSD), que a exemplo de Henrique, também pensa na disputa ao Governo do Estado.

Nesse raciocínio, Henrique Eduardo Alves estaria apenas municiando Robinson Faria e aumentando o poder que o vice-governador passou a contar em Mossoró. Onde menos se pensava que Robinson pudesse ganhar visibilidade política.

É que a vitória do prefeito Francisco José Júnior (PSD) nas eleições suplementares de 4 de maio último proporcionou essa mudança. E o próprio Silveira admitiu que a sua eleição representa benefício para o vice-governador.

Saliente-se que Fafá e Robinson Faria estiveram no mesmo palanque nas eleições suplementares. E o que Henrique Eduardo Alves vem fazendo, por meio de Izabel Montenegro, é praticamente a deixa para que a ex-prefeita Fafá retribua o que tratamento que vem recebendo por parte do PMDB: a exclusão. E, se Henrique está mal das pernas em Mossoró, imaginem como ficaria sem o apoio das lideranças peemedebistas que apoiaram Silveira Júnior nas eleições suplementares.

A própria Izabel evidencia que a meta do PMDB é escantear Fafá Rosado. E essa constatação veio da conta pessoal dela no Twitter. Ao ser perguntada se Fafá teria legenda, a presidente local peemedebista repetiu passagem bíblica: "tudo a seu tempo". Disse também que iria se reunir com os membros do diretório para definir quem terá vez.

Ora, é balela pura. Todo mundo sabe que quem manda no PMDB é Henrique Eduardo Alves. E cabe à executiva estadual de todo e qualquer partido decidir quem serão os candidatos ao Governo, Assembleia Legislativa, Senado e Câmara Federal.

Menos, Henrique. Menos

As pessoas têm que decidir o que querem. Frase dita pelo presidente da Câmara Federal, Henrique Eduardo Alves (PMDB), que quer ser candidato único ao Governo do Estado nas eleições de outubro próximo. Uma frase, diga-se de passagem, totalmente contraditória. Até porque não dá para decidir nada com apenas um nome.  E, também diga-se de passagem, é um projeto altamente complicado: Henrique não tem como beneficiar gregos e troianos e garantir eleição e reeleição de deputados (federais e estaduais).

Assim posto, o blog tem a seguinte dúvida: como Henrique vai garantir a reeleição de Paulo Wagner (PV), Felipe Maia (DEM), Sandra Rosado (PSB) e Betinho Rosado (PP) e, ao mesmo tempo, assegurar a eleição à Câmara Federal de Antônio Jácome (PMN), Rafael Motta (PROS), de Rogério Marinho (PSDB) e da irmã de João Maia? Sobrariam duas vagas nesse plano mirabolante de Henrique: a de Fátima Bezerra (PT), que disputará o Senado e apoiará Fernando Mineiro (PT) ao Legislativo federal, e de Fábio Faria (PSD).

Como se vê, Henrique viaja na maionese. Tem gente de mais para poucas vagas. Saliente-se que Henrique ainda quer minar prováveis adversários, como a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) e o vice-governador Robinson Faria (PSD). O plano contra Rosalba, contudo, não tem o presidente da Câmara Federal como articulador: é o próprio presidente do Democratas, senador potiguar José Agripino Maia. Mas o que danado levaria Agripino a projetar algo contra o próprio partido?

E vamos às contradições: Henrique quer ser o candidato da mudança. E é justamente aí que está a questão. Como é que alguém vai mudar alguma coisa se seu passado é marcado por aspectos negativos? Henrique tem o apoio de Wilma de Faria (PSB) - ex-governadora que teve a gestão marcada por escândalos e que teve apoio de Henrique. Tem também o respaldo do ministro Garibaldi Filho (PMDB), que também não tem histórico administrativo sem mácula. Lembrem do caso Gusson e da venda da Cosern. Tem o apoio do ex-governador Fernando Freire, que é acusado também de improbidade administrativa. Tem o ex-governador Geraldo Melo, considerado como o pior governador à educação.

Enfim, são tantos aspectos negativos que o discurso de mudança não vinga. Henrique Eduardo Alves está na vida pública há pouco mais de quatro décadas. São mais de 40 anos como deputado federal. E nesse tempo não conseguiu emplacar nenhum indício de que poderia ser a mudança, de que seria o "salvador da pátria", que seria a última coca cola no deserto.

Aliás, Henrique e sua trupe (menos Wilma, e Fernando Freire) apoiaram o governo Rosalba. Somente agora ele percebeu que a gestão democrata potiguar está ruim das pernas.

Voltando ao início deste post, o eleitor realmente precisa fazer a opção. Mas Henrique não quer que o cidadão tenha esse direito e pretende impor algo exclusivo, único. Como se fosse a redenção para os pecados que assola o Rio Grande do Norte. Menos, Henrique. Menos.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Quem será o novo presidente da Câmara?

Várias apostas estão em evidência para saber quem vai presidir a Câmara Municipal de Mossoró até dezembro, bem como o próximo biênio (2015/2016). Fala-se em Francisco Carlos (PV) para o "mandato tampão" e em Jório Nogueira (PSD) (mandato 'normal" a partir de 1º de janeiro de 2015). Fala-se ainda em Alex do Frango (PV) para comandar o Legislativo a partir de janeiro de 2015. Fala-se também na permanência de Alex Moacir (PMDB).

Quem vai levar, ninguém sabe. O que se pode dizer é que os próximos presidentes, tanto para o mandato tampão quanto ao próximo biênio, devem ser alinhados politicamente com o prefeito Francisco José Júnior (PSD).

Pela ligação política, Jório leva a vantagem. É do mesmo partido do prefeito. Contudo, não existe nenhuma garantia de que tal especulação se concretize. Fala-se que o vice-governador Robinson Faria (PSD) teria interesse na ascensão de Jório. Algo que o blog não acredita. Afinal, interessa mais ao vice-governador a posição e o apoio do prefeito. E, entende o blog, caberá a Silveira a articulação à eleição no Legislativo. Afinal, Silveira vai sair da presidência da Câmara para ser o titular na Prefeitura. E obviamente que ele vai querer alguém próximo no comando da Casa. Algo natural e simples.

Os bastidores fervem. Existem conversas de todos os lados. Uns até contabilizam votos. Outros, nem tanto. Mas é bom lembrar que tudo acontece no dia da eleição. Até lá, muitas apostas ainda vão ser feitas.

Ministro garante a Silveira que novo IFRN será construído em Mossoró

Excelente notícia passada pela Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Mossoró: que houve comprometimento do Ministério da Educação à construção de uma segunda unidade do Instituto Federal de Educação Tecnológica em Mossoró. De acordo com o boletim informativo da PMM enviado ao blog, o prefeito Francisco José Júnior (PSD) esteve com o ministro da Educação, Henrique Paim, e obteve dele a confirmação de que um novo IFRN será construído por aqui em 2015.

Ao ministro, o prefeito já adiantou que a Prefeitura doará o terreno. Silveira estava na companhia da deputada federal Fátima Bezerra (PT).

Contudo, apesar da garantia, Silveira Júnior disse, conforme a Secretaria de Comunicação, que o tema será discutido em audiência pública. Talvez para definir a área da construção do novo IFRN. E realmente é bom ouvir. Foi-se o tempo em que prefeito tomava decisões unilaterais e sem levar em consideração o que pensa o povo. E foi isso que disse o prefeito: "queremos a participação do povo nas nossas decisões, bem como a aprovação do Legislativo na doação do terreno para o projeto."

Não é de hoje que Mossoró carece de mais espaços educacionais do nível do IFRN. Ganha a cidade e, principalmente, os alunos da rede pública de ensino. Saliente-se que o Instituto Federal é importante quando se fala em educação. É sinônimo de evolução, de avanço.

PMM paga R$ 9,5 mi de FGTS em 120 parcelas de R$ 30 mil

Servidores que tiveram vínculos com a Prefeitura de Mossoró no período compreendido entre 1977 a 1991 devem comparecer à Secretaria Municipal de Administração para a devida verificação relacionada ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). É preciso apresentar a Carteira de Trabalho e a comprovação salarial.


A medida anunciada pela própria secretaria, por meio de convocação publicada na imprensa local, diz respeito a processo judicial movido pelo Ministério do Trabalho, que obteve sucesso na ação e garantiu pagamento de dívida de R$ 9,5 milhões em 180 meses. A Prefeitura, segundo informou Marinaldo de Lima – da Diretoria de Gestão de Pessoal da Secretaria Municipal de Administração – o parcelamento vem sendo pago desde 2011.


As parcelas estão sendo depositadas na conta específica do FGTS na Caixa Econômica Federal, no valor mensal entre R$ 30 mil a R$ 40 mil. E a necessidade da apresentação do servidor na Secretaria de Administração é para que o depósito passe a ser feito de maneira particular, diretamente na conta do funcionário. “Como está sendo pago, precisamos individualizar (o pagamento)”, informou Marinaldo.


O diretor de Gestão de Pessoal acrescentou que a ação processual do Ministério do Trabalho não tem nenhuma ligação com o processo que está em andamento e sobre os mesmos fins: o pagamento do FGTS. Embora ele tenha dito que o assunto é o mesmo, são ações distintas. A diferença é que o processo mais recente teve que retornar à sua origem e foi requerido pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipal de Mossoró (Sindserpum).


“A ação do Ministério do Trabalho é paralela à do Sindserpum. De certa forma os processos têm relação, mas essa que a Prefeitura está pagando é a do Ministério do Trabalho. A ação do sindicato pede o pagamento do FGTS até o ano de 2008”, informou Marinaldo de Lima. Ele acrescentou que, quando o processo movido pelo Sindicato dos Servidores transitar em julgado, haverá compensação relacionada ao que já se pagou.


O secretário municipal de Administração, Sebastião Almeida, informou que tem direito ao FGTS o servidor efetivo que entrou no serviço público até o ano de 1988, período em que a Prefeitura de Mossoró ainda adotava o regime celetista. “O servidor comissionado não tem direito”, disse o secretário, reforçando que o servidor efetivo que entrou no serviço público municipal depois da Constituição de 1988 não tem direito ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Até porque, disse, a Prefeitura mudou o regime celetista para estatutário.

 

 


‘Tapera Copa’ terá quatro ambientes com TV e telão

O “Mossoró Cidade Junina” congrega subprojetos que garantem bom público e dentre eles se destacam a Cidadela e o Tapera Cor. Neste ano, o Tapera mudou um pouco a nomenclatura e passou a se chamar “Tapera Copa”, em alusão ao Campeonato Mundial de Futebol.


Segundo o secretário municipal de Cultura, Gustavo Rosado, a ideia é que o subprojeto tenha de três a quatro ambientes. Todos decorados com as cores verde, amarelo, azul e branco, que remetem à Seleção Brasileira de Futebol.


Em cada ambiente, serão colocados televisores ou telões para que o público possa assistir aos jogos. Em dias sem programação da Copa, o secretário disse que serão exibidos jogos antigos. “A motivação é a Revista Placar.”



Além disso, o “Tapera Copa” terá programação brega. “Teremos a Estação Brega, com cantores da terra que possuam músicas bregas ou os que cantem brega. Será bacana para atrair público”, comentou Gustavo Rosado, acrescentando que ainda terá a atração “Elas cantam brega”. O subprojeto está com a coordenação de Eduardo Falcão e Nora Aires.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Vítimas da sociedade da urgência

Quantas vezes você não viu a cena de pessoas sentadas em determinado local e cada uma com o celular na mão, conversando via WhatsApp? Quantas vezes você não ouviu a pergunta: “tem Face?” Sim, a sociedade está cada vez mais direcionada ao mundo virtual e deixando de lado os laços sociais. Esquecendo o abraço, o namoro de calçada, a paquera real. E esses fatores, aliados a outros, estão direcionando homens, mulheres e crianças ao mal do século: a depressão, que é provocada pela ansiedade, Transtornos Obsessivos Compulsivos (TOCs) e alteração comportamental. E tal realidade aponta para outro problema, que é o crescente consumo de remédios controlados.

A psicóloga Érika Pedroza afirmou que estudos apontam que o mal do século é justamente a depressão, que afeta pessoas que têm estilo de vida mais voltado ao mundo virtual, seja por causa do trabalho ou devido às circunstâncias do mundo moderno decorrentes da violência.

Aliado a isso, tem o nível de estresse da modernidade, que leva o homem (homem, mulher ou criança) a buscar cada vez mais a praticidade e o imediatismo para resolver problemas, bem como encontrar algo que satisfaça algum desejo. “O nível de estresse das pessoas é altíssimo e as relações familiares estão desgastadas”, afirmou a psicóloga.

Tudo o que foi dito até aqui remete a uma só questão: as relações sociais deixaram de ocorrer no campo real para se “concretizarem” no mundo virtual. E isso leva ao isolamento, à solidão e, consequentemente, à depressão. E esse mal acarreta uma série de complicações, desde a interferência médica ao uso indiscriminado de medicamentos para controlar a ansiedade.

Como se tudo isso não bastasse, a psicóloga Érika Pedroza apontou para outro fator que leva à depressão e que está ligado diretamente à produtividade do cidadão: a exigência cada vez maior do mercado de trabalho. “Vivemos em uma sociedade da emergência e as pessoas querem respostas imediatas. Em alguns casos, buscam a automedicação e hoje o Valium é o medicamento mais vendido no mundo”, acrescentou.

E os problemas decorrentes de uma sociedade ávida pelo imediatismo ocorrem em rede. Os sintomas variam de pessoa para pessoa e somente um profissional poderá identificá-los. Mas pode começar com uma simples depressão e se transformar em algo bem maior, podendo culminar com o suicídio. Em alguns casos, os sintomas podem até ser novos, mas indicam problema velho e hereditário, como a esquizofrenia e a bipolaridade.


Consumo de medicação controlada é crescente
O resultado do imediatismo da sociedade, causando estresse e ansiedade – chegando a causar danos maiores ao homem – é medido pela quantidade de remédios controlados adquiridos pela rede pública de saúde. Em Mossoró, de 2013 até abril deste ano, segundo informações da secretária municipal de Saúde, Leodise Cruz, houve aumento considerável dos chamados ansiolíticos. É o caso do Diazepan (10 mg). Em 2013, durante o ano todo, foram consumidas 967.600 unidades do medicamento. Neste ano, de janeiro até abril, foram exatas um milhão de unidades.

Para confirmar o crescimento no consumo de medicamentos controlados, os números fornecidos pela Secretaria Municipal de Saúde são de que no ano passado os usuários da saúde mental consumiram 3.790.850 unidades. De janeiro até o mês de abril, deste ano, o número chega a 3.187.430 unidades. Ou seja, em apenas quatro meses, o número de pessoas com algum problema ou transtorno mental cresceu e o total de comprimidos distribuídos chega perto do que se utilizou no ano passado. E isso envolve Diazepan, Amitripilina, Clonazepan, Fluoxetina, Haloperidol, Bipedireno, Carmazepina e Clonazepan.

O uso desses medicamentos é controlado e somente pode ser vendido com a apresentação da guia médica (receita), que tem cor diferenciada das demais (as guias normais são brancas e as de remédio controlado, azuis). Assim sendo, é preciso que o usuário seja atendido sistematicamente por profissionais da saúde mental, serviço oferecido pela Prefeitura de Mossoró por meio dos Capsi’s (Adulto, Infantil e Álcool e Droga), Unidade de Saúde Mental (Uisam) e Hospital São Camilo. Tudo, porém, começa nas Unidades Básicas de Saúde (UBS’s), onde o médico encaminha o paciente para profissional especializado (psicólogo e/ou psiquiatra).

A psicóloga Érika Pedroza afirmou que a aliança Psicologia/Psiquiatra é uma via de mão dupla e que não se pode pensar em tratamento de saúde mental de forma dissociada. Em outras palavras, tanto o psicólogo pode encaminhar para o psiquiatra como este pode encaminhar para o atendimento e acompanhamento psicológico.

Medicamentos consumidos em 2013

Amitriptilina 25mg – 699.990 unidades
Biperideno 2mg – 600.000 unidades
Carbamazepina 200mg – 471.950 unidades
Clonazepan 2mg – 705.000 unidades
Diazepan 10mg – 967.600 unidades
Fluoxetina 20mg – 149.110 unidades
Haloperidol 5mg – 197.200 unidades

Medicamentos consumidos de janeiro a abril de 2014

Clonazepan 0,5mg – 100.000 unidades
Clonazepan 2mg – 482.500 unidades
Diazepan 10mg – 1.000.000 unidades
Fluozetina 20mg – 999.950 unidades
Haloperidol 5mg – 601.980 unidades
Fonte: Secretaria Municipal de Saúde

SMS quer ampliar serviços e levar
atendimento à população carcerária
Com a rede de atendimento à saúde mental, a secretária de Saúde, Leodise Cruz, enfatizou que a chegada do paciente é mais facilitada e, consequentemente, o acesso aos medicamentos é garantido. Ela frisou, contudo, que os pacientes precisam de assistência contínua e que, por tal motivo, as farmácias (um total de quatro) distribuem a medicação duas vezes por semana. Justamente pelo fato de se precisar do retorno do paciente ao profissional da saúde, a fim de que possa ser feita a avaliação ou reavaliação. Nos Capsi’s ocorre a mesma metodologia de distribuição da medicação controlada. “O paciente precisa ser reavaliado sempre”, disse a secretária.

Para tanto, a secretária Leodise Cruz enfatizou a necessidade do paciente fazer o agendamento da consulta. Ela acentuou que o usuário deve estar inserido na rede de atendimento à saúde mental e que o tratamento começa nas Unidades Básicas de Saúde. No caso de crianças, a assistência é feita no Caps Infantil. Se o problema envolver depressão leve, o paciente é direcionado à UISAM. Caso a depressão se apresente com surtos psicóticos e necessite de internação, a alternativa pode estar no Hospital São Camilo.

Penitenciária
Paralelamente às ações já desenvolvidas na chamada rede credenciada à saúde mental, a Secretaria Municipal de Saúde pretende estender os serviços à população carcerária de Mossoró. O primeiro passo nesse sentido, segundo a secretária, diz respeito ao agendamento no atendimento aos presos da Penitenciária Agrícola Mário Negócio. Especificamente aos apenados que são viciados em drogas e álcool.


“Estamos tentando cadastrar (a penitenciária) e garantir a saúde mental aos presos. Mas o profissional médico ou enfermeiro já está levando os medicamentos”, informou, acrescentando que isso não basta e que é preciso o acompanhamento. Para tanto, é necessário o cadastramento da penitenciária para que o agendamento das ações seja oficializado.

Fonte: Jornal de Fato

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Alex Moacir propõe audiência para discutir mudanças no vestibular da Uern

A Câmara Municipal de Mossoró (CMM) promoverá este mês uma audiência pública para discutir a possibilidade de adoção do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como forma de ingresso à Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern). A proposição é do presidente da Casa, vereador Alex Moacir (PMDB).

O requerimento foi apresentado em plenário pelo vereador e aprovado por unanimidade. “Diante dos últimos acontecimentos em torno das discussões sobre a possível mudança no vestibular da Uern, é de suma importância poder ampliar o debate para toda a sociedade, a fim de que possa ser tomada a melhor decisão quanto a forma de ingresso à Universidade”, justifica o parlamentar.

Em virtude aos debates sobre o fim do Processo Seletivo Vocacionado (PSV), Alex Moacir se reuniu na última terça-feira, reitor da Uern, Prof. Pedro Fernandes, e se dispôs a realizar esta audiência pública.

“É preciso ouvir a opinião dos estudantes e da Instituição sobre as vantagens e desvantagens de mudar o vestibular da Universidade neste ano. Por isso a importância da audiência”, enfatiza Alex Moacir.


Fonte: Assessoria

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Chefia de Gabinete voltará na gestão de Silveira

O prefeito Francisco José Júnior (PSD), que será efetivado no cargo no próximo dia 29, pretende alterar o organograma da Prefeitura Municipal de Mossoró. Dentre as mudanças, o retorno da Chefia de Gabinete, função extinta durante a gestão da ex-prefeita Cláudia Regina (DEM). O prefeito entende que se trata de um cargo que não pode deixar de existir. É que cabe à Chefia de Gabinete a articulação política do governo, bem como tratar de assuntos meramente internos (como agenda e definir prioridades, seguindo – obviamente – o plano de governo). Ao blog, Francisco José Júnior afirmou que as mudanças serão feitas assim que seja empossado. Nesta entrevista o prefeito discorre sobre a visibilidade que o vice-governador Robinson Faria (PSD) passa a contar em Mossoró, bem como de como será sua posição às eleições de outubro vindouro. Confira abaixo:

O senhor já avisou que fará reforma administrativa, uma espécie de ajuste na nomenclatura. O que mudará?

Estamos à frente da Prefeitura desde dezembro de 2013. De lá até aqui, pudemos conhecer bem a administração e saber que setores precisam ser priorizados e que mudanças são necessárias para garantir a continuidade dos avanços que temos implantados desde que assumimos. Entendemos que dois anos e meio é pouco tempo, mas achamos ser suficiente para implantar um modelo de gestão mais ágil e eficiente. Já fizemos muito em quatro meses, temos a população como testemunha, mas temos muito mais ainda por fazer. Nosso lema é trabalho. Portanto, além de mexer com algumas secretarias, vamos precisar criar novas pastas, que consideramos essenciais como, por exemplo, desmembrar Esporte da Educação, criando a Secretaria da Juventude, Esporte e Lazer. Vamos elevar a nossa Guarda Civil a Secretaria de Segurança e também transformar a Secretaria de Trânsito em Secretaria de Mobilidade Urbana, porque pretendemos fazer modificações importantes nesta área, incluindo um novo sistema de transportes para o município. Porém, é importante deixar claro que essas mudanças só poderão ser feitas depois de aprovadas e colocadas no orçamento.


O surgimento da Secretaria da Mobilidade Urbana é um indicativo de prioridade do setor?

Sim, esta é uma área que está entre nossas prioridades. A questão da mobilidade urbana em Mossoró é um problema da modernidade que tem afetado todas as administrações, não apenas no Brasil. Em Mossoró esta é uma questão que tem gerado muitas discussões e protestos. Não se resolve isso num passe de mágica, mas temos um planejamento que vai mudar esta realidade. O nosso projeto é implantar o mesmo modelo existente hoje na cidade de Curitiba (PR), que é referência no Brasil. Pretendemos, inclusive, levar nossa equipe lá, para que veja de perto como funciona. Este modelo permite ao Município subsidiar o transporte coletivo. O que é que acontece hoje: as empresas cobram do usuário e prestam o serviço. As empresas arrecadam R$ 290 mil/mês com 17 ônibus fazendo as linhas. Na proposta que vamos implantar, o Município recebe do usuário do ônibus e subsidia o transporte público. Com isso, poderemos ampliar a frota para 50 veículos com custo mensal de R$ 600 mil. Quer dizer: independente da quantidade de passageiros que transportem, as empresas receberão o valor acordado. Isso significa que teremos mais linhas, novos destinos e roteiros cumpridos com pontualidade. Então, como as empresas rodarão mais, terão mais usuários, portanto, acreditamos que depois de seis meses, elas ganharão autonomia e não precisarão mais ser subsidiadas, continuando com o compromisso de manter a mesma qualidade do serviço.

O mesmo pode ser dito com relação à Secretaria de Segurança? Como ampliar ações e firmar convênios?

De certa forma, porque pretendemos manter os convênios em nível estadual. Inclusive estivemos, na semana passada, com a governadora Rosalba Ciarlini, que nos recebeu em Natal, para tratarmos de alguns assuntos, entre eles a questão da Segurança Pública. Ela nos garantiu, logo de início, manter o mesmo efetivo para o Mossoró Cidade Junina, mesmo o RN sendo uma sede da Copa do Mundo. Portanto, teremos mais de 100 policiais militares aqui no mês de junho. Ela também garantiu manter a parceria com relação às BICs (Bases Integradas Cidadãs). Paralelamente a isso, vamos convocar novos profissionais para a Guarda Municipal, porque entendemos que as duas unidades são importantíssimas para as áreas atendidas e para a própria segurança de Mossoró. Sem falar que nossa proposta é abrir outras duas bases. Ainda com Rosalba, propomos uma parceria para transferir o 12º Batalhão de Polícia Militar, que hoje funciona na BR-304, saída para Natal, para a base policial que está desativada no bairro Vingt Rosado. A Prefeitura se compromete em realizar a reforma do prédio, com recursos próprios, cabendo ao Estado apenas a transferência dos policiais. Acreditamos que com esta medida, o Batalhão estará mais próximo da população e estrategicamente localizado. Além disso, no próximo dia 20 estaremos em Brasília para acelerar o processo de inclusão de Mossoró no projeto Brasil Mais Seguro, que permite ao município receber viaturas, equipamentos e até recursos para outros investimentos.

A articulação política de toda prefeitura é feita pela Chefia de Gabinete, que foi extinta. Como será essa ação?

Esta é uma boa pergunta, porque entre as mudanças que pretendemos fazer a partir do próximo mês, depois de sermos empossados como prefeito e vice-prefeito eleitos de Mossoró, está a criação da Chefia de Gabinete. Ainda não tivemos tempo de discutir o formato. No entanto, acho de extrema necessidade porque facilita e agiliza a agenda administrativa, descentralizando muitas coisas. Hoje tenho grande dificuldade de me ausentar de Mossoró porque não tenho um vice para me substituir. A partir do dia 29, além do nosso vice, professor Luiz Carlos, pretendo ter também um chefe de Gabinete, de modo que quando precisar viajar em busca de recursos e melhorias para nossa cidade, saberei que a cidade estará em boas mãos.

O fato de o senhor ter vencido a disputa na eleição suplementar, e por ser filiado ao PSD, abre um olhar diferenciado sobre o vice-governador Robinson Faria. Ele passaria a contar com uma visibilidade onde menos esperaria?

Acredito que sim. O vice-governador Robinson Faria ganhou uma grande visibilidade aqui em Mossoró. Se diziam que ele não era conhecido, no final da campanha ele já era recepcionado com abraços, aplausos e tinha muita gente vibrando em torno de seu nome. A nossa vitória, que teve a sua participação efetiva, lhe deu o fôlego que ele precisava.

Como ficará a sua posição com relação a apoio aos candidatos proporcionais nas eleições de outubro? Já é possível vislumbrar um desenho da definição?

Havendo a confirmação das pré-candidaturas, nós mantemos o que estamos dizendo desde o início: apoiaremos o deputado Leonardo Nogueira para a Assembleia Legislativa e o deputado Fábio Faria para a Câmara Federal. Esta é uma questão que estava definida desde o início. Do mesmo modo, temos atenção com a pré-candidatura da deputada Fátima Bezerra para o Senado.

O senhor conta com maioria na Câmara Municipal. Em tese, não terá dificuldades na relação com o Legislativo...
Nunca tive dificuldade com o Legislativo. Sempre recebemos os vereadores que ajudam muito ao nosso município e continuaremos assim. Antes da campanha, nós conseguimos o feito histórico de conquistar o apoio de 18 dos 21 vereadores para a nossa gestão. Durante a campanha, 15 deles continuaram nos apoiando, mostrando que nossa relação sempre foi positiva, desde quando eu estava na presidência da Câmara. Agora, no que depender de mim, essa boa relação continuará durante toda a nossa gestão, não apenas com quem nos apoia, mas com os 21 legisladores que, como eu, têm a responsabilidade de pensar o desenvolvimento de Mossoró.


terça-feira, 13 de maio de 2014

Agripino: ‘O medo da volta da inflação do brasileiro é visível’

Em discurso na tribuna do Senado, na tarde da segunda-feira (12), o líder do Democratas José Agripino (RN) voltou a falar da preocupação do brasileiro com a volta da inflação, principalmente no que diz respeito à compra de alimentos. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que nos quatro primeiros meses deste ano, os preços subiram 2,86% - em 2013, no mesmo período, a inflação era de 2,5%. No acumulado em 12 meses, a inflação atingiu 6,28%, aproximando-se do limite máximo do objetivo do governo (6,5%).

Segundo o senador, a inflação dos alimentos está na faixa dos 9% e 10%. “Há uma queixa geral das pessoas que sentem o peso da inflação no dia a dia. As classes A e B não sentem tanto o peso da alta dos alimentos como as classes C, D e E, que fazem a feira, a compra do dia a dia. Na hora em que a inflação se instala, a primeira coisa que as pessoas perdem é o poder de compra”, frisou Agripino.

Em visita à região do Alto Oeste de seu Estado (Pau dos Ferros, Francisco Dantas, Portalegre e Riacho da Cruz), nesse final de semana, José Agripino contou que ouviu diretamente das pessoas nas ruas queixas sobre os preços dos alimentos. “Quando as pessoas tinham uma renda suficiente para fazer a feira de 15 em 15 dias, elas não percebiam, com tanta profundidade, a subida do preço dos alimentos porque o orçamento era suficiente. Com a instalação da inflação, que vem correndo progressivamente de uns tempos para cá, as pessoas passaram a fazer a feira toda semana para tentar, com o pouco dinheiro que tem no bolso, garantir a comida”.

José Agripino lembrou ainda que, nos três anos da gestão Dilma (2011-2013), a inflação não atingiu o centro da meta – 4,5% - uma vez sequer. “A presidente assumiu o governo prometendo juros menores, inflação menor e investimentos maiores, mas está tudo o contrário. O brasileiro é gente de fé, não merece o que está acontecendo, ou seja, um governo feito de promessa não cumprida”, disse o senador. 


Fonte: Democratas

Policiais serão homenageados pela Comissão de Direitos Humanos

A visão preconceituosa que a maioria da sociedade brasileira tem acerca dos Direitos Humanos vem sendo quebrada aos poucos. As pessoas têm compreendido que a preocupação dos humanistas é com o ser humano, independente de qualquer circunstância.

Em Mossoró, as práticas que visam a promoção e a defesa dos homens têm recebido a contribuição de diversos atores e instituições. É por isso que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), subseção de Mossoró, irá homenagear na próxima quinta-feira (15) pessoas e entidades que têm desempenhado suas funções a favor dos Direitos Humanos. Nove deles são de instituições ligadas à segurança pública.

A entrega de comendas aos homenageados faz parte das atividades referentes ao lançamento do Programa Brasileiro de Educação Cidadã (PROBEC), que nasceu em Natal e direciona seu trabalho para crianças e adolescentes.

Através de uma parceria com a Comissão de Direitos Humanos da OAB/Mossoró, o projeto será estendido para meninos e meninas que estudam em escolas públicas da cidade. Além das homenagens, a noite terá ainda duas palestras: juiz de Direito Jarbas Bezerra, que é o coordenador do Probec; e o promotor de Justiça Carlos Henrique Harper Cox.

De acordo com Catarina Cordeiro Lima Vitorino, vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/Mossoró, todas essas pessoas e instituições deram importante contribuição na luta pelos Direitos Humanos. “A gente procurou escolher profissionais que, na sua atividade, ajudaram a reduzir os problemas que enfrentamos na sociedade, como a desigualdade, o preconceito, a violência... Essa é uma noite de extrema importância para a CDH. É a oportunidade que temos de avaliar todo o trabalho que já vem sendo feito e buscar novas parcerias para conseguirmos ampliar nossas atividades, atendendo um número cada vez maior de pessoas”, complementa.

SERVIÇO:
O quê: Lançamento do Programa Brasileiro de Educação Cidadã (PROBEC)
Palestras: Jarbas Bezerra (juiz) e Carlos Henrique Harper Cox (promotor)
Quando: 15 de maio de 2014
Horário: 19h
Onde: Auditório da OAB/Mossoró – Rua Duodécimo Rosado, Nova Betânia
Realização: Comissão de Direitos Humanos da OAB/Mossoró

HOMENAGEADOS:
Carlos André Correia Lima Moreno (major PM)
Cristiane Magalhães Ribeiro (delegada de Polícia Civil
Dinno Max Fernandes da Silva (capitão PM)
Dom Mariano Manzana (bispo da Igreja Católica)
Francisco Alvibá Gomes Ferreira (tenente-coronel PM)
Humberto Hermógenes da Silva (major PM)
José Claiton Pinho de Souza (delegado de Polícia Civil)
José Gurgel Pinto (soldado PM)
Liselotte Elfride Scherzinger (Irmã Ellen)
Marcos Antônio de Moura Filho (diretor do Hospital Wilson Rosado)
Maximiliano Luiz Bezerra Fernandes (capitão PM)
Tony Magno Fernandes Nascimento (soldado PM)
Vagnos Kelly Filgueredo de Medeiros (juiz de Direito)



Fonte: OAB/Mossoró

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Uso de 'bom colírio' faz um bem danado

O Movimento Articulado de Combate à Corrupção (MARCCO), criado em 2007, somente agora "enxergou" indícios de falhas administrativas no Governo do Estado. Nove anos depois. Isso implica dizer que as acusações de desvio de conduta ética em gestões passadas, especificamente no governo Wilma de Faria (PSB), foram "fichinhas" no que estaria ocorrendo agora com a governadora Rosalba Ciarlini (DEM). "Foliaduto", "Hígia", "Foliatur" e "Sinal Fechado", ao que evidencia o MARCCO, não passam de invencionice e agora quer o impeachment de Rosalba.

O mesmo acontece na Assembleia Legislativa. Maioria dos deputados estaduais compunha a legislatura em igual período do surgimento do MARCCO. E também estão "enxergando" somente agora "indícios fortes" de corrupção.

E cabe aqui algumas perguntas: por quais motivos os deputados estaduais não questionaram governos anteriores? Por quais motivos não perguntaram para onde foram os recursos da venda da Cosern? O que motivou o escândalo Gusson? O que quer dizer "Foliaduto? "Hígia"? ou "Sinal Fechado?"

A resposta é simples: nada que um bom colírio e um ano eleitoral não faça para que se possa enxergar "coisas" e "fatos".

Interessante como tudo funciona quando existe algum interesse. E qual, realmente, seria o interesse do MARCCO? Qual o interesse da Assembleia Legislativa?

Pelas informações constantes no endereço virtual do MARCCO (www.marccorn.org), instituições diversas são representadas. E nenhuma delas percebeu algo danoso ao patrimônio público antes?

Não que o blog seja a favor da corrupção. Mas é que fica difícil engolir a tese de que "somente agora" existiria algo realmente comprometedor e que ameaçasse algo chamado Estado. Especificamente no que diz respeito ao uso da verba pública.

O novo cenário político de Mossoró

Quando o PMDB decidiu que seguiria com o PSB às eleições suplementares de 4 de maio último, e quando se soube que o vereador Alex Moacir (PMDB) seria o candidato a vice de Larissa Rosado (PSB), o blog não teve dúvidas: o grupo liderado pela deputada federal Sandra Rosado (PSB) queria a ex-prefeita Fafá Rosado (PMDB) em seu palanque. Mas Fafá não foi. A ex-prefeita recebeu diversas ligações de lideranças locais e estaduais, como o ministro Garibaldi Filho, o presidente da Câmara Fedeal, Henrique Eduardo Alves, ambos do PMDB. E até da ex-governadora e vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB).

A todos Fafá apresentou a mesma resposta: não tinha como apoiar quem passou oito anos tentando tirá-la do governo municipal. Não teria como estar em um palanque onde pessoas teriam orquestrado todo tipo de campanha para reduzir sua administração. E o próprio Garibaldi Filho tentou emparedar Fafá ao fazer a seguinte pergunta: "você vai pro palanque ou vai dar atenção ao surgimento desse menino?" E a resposta foi também dura para Garibaldi: "vou", disse Fafá.

O resultado disso tudo foi que Fafá Rosado tinha razão: o PMDB que esteve com Larissa não foi suficiente para elegê-la. E obviamente que a ex-prefeita sabia das consequências de sua decisão: Henrique Alves, que preside o PMDB estadual, negaria legenda para que ela saísse candidata a deputada federal. Inclusive isso foi dito a quem quisesse ouvir por alguns pessebistas.

Ocorre que Larissa foi derrotada. E Henrique não vai chegar ao ápice da loucura de negar legenda a alguém que, efetivamente, demonstrou ser importante no cenário da política mossoroense. E mais: Henrique vai precisar de suporte político em Mossoró. Isso caso dê prosseguimento ao projeto de disputar o Governo do Estado. E quem vai ancorar tal projeto por estas bandas? Eis a questão!

O certo é que a vitória do prefeito Francisco José Júnior (PSD) abriu outra perspectiva. E não envolve Henrique Alves ou a governadora Rosalba Ciarlini (DEM). O vice-governador Robinson Faria (PSD) passa a ter visibilidade onde menos esperava. É que Mossoró - que todos sabem - é berço eleitoral de Rosalba. E onde ela é, apesar de tudo, forte. E a eleição de Silveira Júnior tende a apresentar um contrapeso em outubro próximo. Se ele conseguirá projetar essa visibilidade a Robinson, não se sabe.

Mas tem outro porém nisso tudo: a ex-prefeita Cláudia Regina (DEM), que não pôde participar da eleição suplementar, mas terá papel de destaque em outubro. Por sinal, ela já vinha desenvolvendo tal tarefa. E começou quando foi eleita presidente da Associação dos Municípios do Oeste do Rio Grande do Norte (AMORN). Muitos viram, contudo, que Cláudia estaria forçando a barra para ser uma liderança regional. Se foi verdade, o blog não sabe. E também não terá como constatar isso, já que Cláudia está fora da Prefeitura e, consequentemente, da Amorn.

O certo é que o novo cenário político de Mossoró se apresenta de maneira única agora. Qualquer prognóstico que for feito será exclusivamente especulação.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Programação do Cidade Junina é lançada

O prefeito Francisco José Junior, juntamente com sua equipe de secretários, reuniu na tarde desta quinta-feira, 08, no Auditório da Estação das Artes Elizeu Ventania, imprensa, representantes de restaurante, hotéis, barraqueiros, vereadores, para apresentar a programação oficial do Mossoró Cidade junina 2014.

Durante a solenidade o prefeito agradeceu a presença de todos e destacou a importância da festa para economia da cidade, garantindo que a 18ª edição do evento será mais uma grande realização. “O Mossoró Cidade Junina não é um evento meu nem da Prefeitura é do povo. Um evento que já é conhecido nacionalmente pela sua grandiosidade. Aqui o turista encontra arte, cultura e grandes shows”, destacou.

Entre as atrações que passarão pelo palco principal da festa foram anunciadas: Zé Ramalho, Bell Marques, Dorgival Dantas, além das bandas que já é sucesso de público como Saia Rodada, Aviões do Forró, Forró dos Plays, Wesley Safadão, Garota Safada, entre outras.

Ainda durante a apresentação da programação Francisco José Junior anunciou mais uma novidade para o Corredor Cultural no mês de junho. Além dos grandes shows do Cidade Junina, será colocado um telão e uma banda nos dias de jogos da Copa do Mundo.

O secretário da Cultura, Gustavo Rosado, enfatizou a contribuição de todos os mossoroenses para a consolidação do evento que chega a sua maioridade. “Todos os mossoroenses deram hoje a grandiosidade do Mossoró Cidade Junina. Foram os barraqueiros, os artistas locais, o público que vai conferir a programação, as empresas parceiras”, lista. Destacando ainda a importância do trabalho de instituições como a Polícia Civil, Militar, Corpo de Bombeiros, que juntos garantem a segurança da festa.

O São João de Mossoró já é considerado um dos maiores do Brasil. Dentro da programação são realizados shows com atrações locais e nacionais, quadrilhas Juninas, festivais, feiras de artesanato, shows de humor, festival de repentistas, entre outros projetos que atraem o público na Cidadela. O diferencial desse ano a realização no mesmo período dos jogos da Copa do Mundo, o que gera uma expectativa de grande público.

Pingo da Mei Dia – O evento que abre oficialmente a programação do Mossoró Cidade Junina, o Pingo da Mei Dia, cresce a cada edição. Para este ano estão cotadas as bandas Saia Rodada, Forró dos Plays, Pegada de Luxo, Municipal Santos, além da participação de Dayvid Almeida e André Luví.


CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA:
Dia 07/06
- Pingo da Mei Dia
- Saia Rodada
- Forró dos Plays
- Municipal Santos
- Dayvid Almeida
- Renata Falcão
- André Luví.

Dia 12/06
- Vicente Nery
- Cavalo de Pau

Dia 13/06
- Aviões do Forró
- Pé de Ouro

Dia 14/06
- Wesley Safadão e Garota Safada
- Dorgival Dantas
- Farra de Playboy

Dia 19/06
- Banda Encantus
- Ferro na Boneca

Dia 20/06
- Zezo
- Lairton e Seus Teclados

Dia 21/06
- Zé Ramalho
- Banda Grafith

Dia 26/06
- Bonde do Brasil

Dia 27/06
- Bell Marques
- Amazan

Dia 28/06
- Solteirões do Forró

Fonte: Secretaria de Comunicação

A programação completa pode ser vista no site da Prefeitura: www.prefeiturademossoro.com.br